sexta-feira, 9 de abril de 2010

Indústria muda nome de adoçante para melhorar sua aceitação - Aspartame agora é AminoSweet

Via: O Libertário
Fonte:
www.naturalnews.com
NaturalNews em 12 de fevereiro de 2010.

(NaturalNews) Em resposta à crescente conscientização sobre os perigos dos adoçantes artificiais, o que o fabricante de um dos mais notáveis do mundo dos adoçantes artificiais fazem?
Renomeá-lo e começar a comercializá-lo como natural, é claro. Esta é precisamente a estratégia da Ajinomoto, fabricante do aspartame, que espera lançar areia para os olhos do público com sua versão rebatizada do aspartame, chamado "AminoSweet".
Mais de 25 anos atrás, o aspartame foi introduzido na cadeia alimentar europeia. Hoje, é um componente diária de bebidas diet, sobremesas sem açúcar, gomas de mascar em diversos países do mundo.

Mas o público em geral está acordando para a verdade sobre edulcorantes artificiais como o aspartame e o dano que causam à saúde.
O esquema de marketing mais recente quanto ao aspartame é um esforço desesperado para doutrinar o público a aceitar o adoçante químico como natural e seguro, apesar das evidências em contrário.
Aspartame foi uma descoberta acidental por James Schlatter, um químico que vinha tentando produzir uma droga anti-úlcera farmacêutica para GD Searle & Company em 1965.
Após a mistura do ácido aspártico e a fenilalanina, dois aminoácidos de ocorrência natural, ele descobriu que o novo composto tinha um gosto doce.
A empresa apenas mudou o seu pedido de aprovação do FDA de droga para aditivos alimentares e, voila, aspartame nasceu.
Um memorando interno lançado no mesmo ano, exortou os executivos da empresa para trabalhar na obtenção do FDA para o "hábito de dizer" sim "e de incentivar um espírito subconsciente" de participação "na obtenção do produto químico aprovado.

GD Searle & Company apresentou sua primeira petição à FDA em 1973 e lutou durante anos para conseguir a aprovação do FDA para apresentar a sua própria segurança, os estudos que muitos acreditavam que eram insuficientes e decepcionantes.
Apesar das inúmeras acusações, incluindo um de seus próprios cientistas, a empresa foi capaz de convencer o FDA a aprovar o aspartame para uso comercial de alguns produtos, em 1974, iniciando um incêndio de controvérsia.

Em 1976 o então Comissário do FDA Alexander Schmidt escreveu uma carta ao senador Ted Kennedy manifestando preocupação com a integridade "questionável dos dados básicos de segurança apresentados para a segurança do aspartame. O Conselheiro-Chege do FDA Richard Merrill acreditava que um grande júri deveria investigar GD Searle & Company por mentir sobre a segurança do aspartame nos seus relatórios e para esconder evidências provando que o produto químico não era seguro para consumo.

Apesar da miríade de elementos de prova adquirida ao longo dos anos mostrando que o aspartame é uma perigosa toxina, o aspartame se manteve no mercado global, com exceção de alguns países que proibiram. Na verdade, ele continuou a ganhar a aprovação para uso em novos tipos de alimentos, apesar das evidências mostrando que provoca danos cerebrais neurológicos, tumores cancerígenos, e desregulação endócrina, entre outras coisas.

Os detalhes da história do aspartame são demorados, mas o facto é que o agente cancerígeno foi ilegitimamente aprovado como aditivo alimentar através de incitação pesada por uma poderosa corporação com os seus próprios interesses em mente. Praticamente todos os medicamentos e aditivos alimentares são aprovados pelo FDA, não porque a ciência mostra que eles são seguros, mas essencialmente porque as empresas adquiriram o FDA com subornos monetários e bancando os processos de aprovação multi-milionários.

Mudar o nome do aspartame para algo que é "atraente e memorável", nas palavras da próprio Ajinomoto, pode enganar alguns, mas a maioria esperasse irá rejeitar esta tática de marketing inteligente como nada mais do que uma tentativa desesperada de preservar a vaca de caixa da empresa multi-bilionária. Não se deixe enganar.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...