quinta-feira, 2 de março de 2017

Perito Nuclear Adverte: EUA estão sendo Ultrapassados pela China

Tradução: Blog Wake Up!
Autor: Clifford Cunningham

Nuclear Expert: U.S. Falling Behind China
 Problemas complicam a promessa de Trump de reconstruir o arsenal nuclear
Um especialista em armas nucleares alerta que os Estados Unidos estão rapidamente perdendo a capacidade de realizar testes nucleares subterrâneos devido à falta de infraestrutura e mão de obra essenciais.

John C. Hopkins, ex-chefe de testes nucleares em Los Alamos, que esteve envolvido em cinco testes atmosféricos no Pacífico e 170 testes em Nevada entre os anos 1960 e 1980, expressou preocupação com a capacidade lentamente degradante dos EUA em testar armas nucleares .


"Porque eu sei alguma coisa sobre as habilidades, equipamentos, instalações e infraestrutura necessárias para realizar um teste nuclear em grande escala, e tenho ficado cada vez mais preocupado com a degradação constante da prontidão de teste nuclear dos EUA - isto é, a capacidade dos Estados Unidos de testar suas armas nucleares se a necessidade de fazê-la surgir ", disse ele em um artigo do boletim informativo Los Alamos.

Hopkins destacou a falta de pessoal com experiência em testes nucleares como a ameaça mais grave para os Estados Unidos no caso de uma emergência nacional.

"A cada dia que passa, os Estados Unidos ficam com menos recursos e pessoas para executar esses testes - incluindo o recurso mais importante: pessoas com experiência - que são peças-chave para os testes nucleares".

Os EUA suspenderam grandes testes nucleares em 1992 e formalmente emitiram uma moratória em todos os testes nucleares após a assinatura do Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares em 1996. O tratado foi assinado e adotado informalmente, apesar do Senado nunca ratificá-lo pela Constituição.
O Tratado de Proibição de Ensaios Limitados, assinado em 1963, proíbe os ensaios nucleares na atmosfera, nos oceanos e no espaço exterior, enquanto o Tratado de Proibição de Ensaios de Limites, assinado em 1974, limita os ensaios a um rendimento máximo de 150 quilotons de TNT.

Devido ao rápido envelhecimento do arsenal nuclear dos Estados Unidos, Hopkins expressou dúvidas sobre a capacidade do governo de retomar os testes nucleares em dois ou três anos, conforme exigido por uma diretriz presidencial assinada pelo presidente Bill Clinton.

O PDD-15 (Presidential Decision Directives ou Ordem Executiva Presidencial), assinada em 1993, afirma que o Departamento de Energia deve formular um plano para "proteger a capacidade de retomar os testes nucleares nos EUA".

"Sob um CTB (Comprehensive Nuclear-Test-Ban Treaty ou Tratado de Proibição Total de Testes Nucleares), mantendo uma infraestrutura viável e pessoal no Centro de Testes de Nevada, os laboratórios de armas nucleares do Departamento de Energia e a Agência Nuclear de Defesa serão um requisito fundamental para manter a capacidade de retomar as atividades de testes nucleares", disse a diretiva.

"Como os Estados Unidos deixaram pouco de seu programa de testes anterior e, essencialmente, nenhum programa de testes de prontidão, o atraso de tempo após a decisão de retomar os testes - por causa da perda de confiança no estoque ou em uma crise geopolítica - na minha opinião, será perigosamente longo", continua Hopkins. "Não dá para saber quanto tempo irá demorar."


O presidente Donald Trump argumentou que os Estados Unidos estão ficando atrás de outros países em termos de capacidade nuclear.

"Eu sou o primeiro que gostaria de ver ... ninguém com armas nucleares, mas não podemos ficar para trás de qualquer país, mesmo sendo um país amigo, nunca vamos ficar para trás na energia nuclear", disse ele em uma entrevista com a Reuters. "Seria maravilhoso, um sonho em que nenhum país tivesse armas nucleares, mas se os países vão ter armas nucleares, vamos estar no topo da lista".

A China anunciou recentemente um teste bem sucedido de um novo míssil balístico intercontinental capaz de transportar dez MIRVs (Mísseis de Reentrada Múltipla Independentemente Direcionados).

Além de construir e implantar novos aviões, mísseis e submarinos capazes de entregar armas nucleares, a Rússia modernizou seu arsenal de armas nucleares de baixo rendimento, adequado para uso em conflitos mais localizados.

Fonte: Infowars - Nuclear Expert: U.S. Falling Behind China

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...