sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Mulher Francesa obtém Doença Incapacitante Após a Vacina H1N1

Paul Joseph Watson
Prison Planet.com
Sexta-Feira, 13 de Novembro de 2009

Tradução: Revelatti

French Woman Gets Crippling Illness After H1N1 Vaccine 131109top

Uma jovem na França, foi diagnosticada com a doença incapacitante de Guillain-Barré (GBS), após uma vacina contra a gripe suína, na sequência de relatórios de ontem sobre um adolescente que na Virgínia foi igualmente atingido pela doença horas após receber a vacina H1N1.

A mulher, identificada apenas como uma trabalhadora de saúde, foi diagnosticado com GBS seis dias depois ela recebeu a vacina contra a gripe suína, de acordo com o Ministério da Saúde francês.

Ministra da Saúde, Roselyne Bachelot, disse que o caso foi diagnosticado e que a mulher estava se recuperando.

"Notícias de que a vacina aparentemente trás doença relacionada é susceptível de diminuir o entusiasmo aqui para se vacinar contra a gripe suína", informou a Deutsche Presse-Agentur.

A França tem estado no centro de uma Europa de resistência ampla para obter a vacina contra a gripe suína, depois que as autoridades inicialmente anunciaram sua intenção de vacinar toda a população. O ultraje atingiu na Europa central após a revelação de que a chanceler alemã Angela Merkel, e os ministros do governo, bem como as forças armadas lá, receberam um aditivo especial vacina H1N1 livre, que não contêm ingredientes como o mercúrio e esqualeno que foram incluídas para o público em geral, menos para as autoridades governamentais.

O programa de vacinação contra gripe suína na França já começou mal mesmo, com o chamado os indivíduos de "alto risco" começaram a receber a vacina a partir de ontem. Os relatórios de efeitos colaterais tão cedo não fará nada para mudar a opinião de 83 por cento do público francês, que indicou uma pesquisa no Le Monde que eles não iriam tomar a vacina.

55 por cento indicaram que iriam levar o tiro, em setembro, mas esse número já caiu para apenas 17 por cento, em parte influenciada por valores atenção da mídia sobre o caso de nove indivíduos que apresentaram acusações formais, os tribunais franceses, alegando que a campanha de vacinação em massa é uma tentativa deliberada para envenenar a população francesa.

A queda dos números dos que estão dispostos a tomar a vacina é visivel na Alemanha, onde apenas 13% agora dizem que estão dispostos a levar a vacina, abaixo dos 51% em julho.

Resistência similar a tomar a vacina é generalizado em todo o continente, da Escandinávia para a Bulgária para a Holanda, há pouco mais de um país da Europa onde a maioria da população têm indicado que não vão tomar a vacina e, na maioria dos países, a maioria indicou que eles não vão ficar inoculados devido a temores de efeitos colaterais.

Como informamos ontem, um atleta da High School de Virgínia foi diagnosticado com Síndrome de Guillain-Barré horas depois de receber uma vacina contra a gripe suína, mas as autoridades de saúde estão tentando fechar a conexão como uma coincidência, exatamente como eles resolveram fazer muito antes do programa de vacinação contra H1N1 começar mesmo.

Apesar da clara ligação histórica depois da vacina da gripe suina com GBS, na qual durante o programa de vacinação em massa em 1976, aliado ao fato de que as autoridades de saúde em agosto advertirem neurologistas que precisavam olhar para o aumento da casos da doença cerabral após o lançamento do programa de imunização, perguntado sobre o caso de McFarland, Dr. do CDC Claudia J. Vellozzi alegou que não havia "nenhuma ligação clara entre a nova vacina e a doença."

Os esforços em nome das autoridades de saúde afirmam que os efeitos secundários debilitantes e distúrbios nervosos, como o GBS não têm ligação com a vacina, apesar do fato de que eles estão claramente enumerados em inserções da vacina como potenciais perigos, não é surpreendente considerando que este é precisamente o que os funcionários resolvido a fazer antes que o programa de vacinação contra a gripe suína em massa começasse.

Já em setembro, informou a Reuters sobre como as autoridades de saúde pública estavam esperando "uma avalanche dos chamados relatórios de efeitos adversos, que são relatos de morte, doença ou trauma de saúde", nas duas semanas depois que as pessoas recebam a vacina.

As autoridades portanto, resolveram negar qualquer ligação com as vacinas de gripe suína uma série de ataques cardíacos, derrames e abortos que "irá ser atribuída à vacina H1N1," efetivamente realizando um diagnóstico cobertor com meses de antecedência.

No início deste mês, o governo americano apontou que a mídia ridiculamente anunciou como um "independente" grupo de conselheiros de saúde que foram incumbidos de branquear a reações adversas à vacina da gripe suína e de "explicar" ao público como mera coincidência.

O grupo é liderado por ninguém menos que o Dr. Marie McCormick, da Harvard School of Public Health. McCormick e suas organizações afiliadas têm rotineiramente relatórios emitidos durante os últimos 10 anos a apoiar a posição do governo sobre a relação entre vacinas e autismo, descartando uma correlação inteiramente apesar da evidência esmagadora que contradiz essa noção. McCormick tem sido amplamente criticado por outros especialistas em saúde para a sua recusa obstinada da ligação entre a vacina e o autismo.

Fonte: Infowars - French Woman Gets Crippling Illness After H1N1 Vaccine

2 comentários:

Diogo disse...

Se se conseguir travar esta vacinação criminosa, considero isso a maior vitória da Internet de sempre.

NRG disse...

Com certeza Diogo, faço minhas suas palavras, e acrescento mais: iremos vencer essa corja que se entitula a "elite", a humanidade ainda vai acordar do sono profundo, tenho certeza!

A LUZ prevalecerá sobre a escuridao :)

Abraço.