quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Banco Mundial ameaça com "medidas drásticas necessárias" para nações que se recusarem a aplicar medidas de redução da população

Jurriaan Maessen
Infowars.com
02 de setembro de 2010

Tradução: Wake Up!

É o trabalho eugenista do Discovery Channel, multiplicado por um milhão. Não é simplesmente um solitário dizendo "bebês humanos parasitas" devem morrer, mas uma das maiores instituições financeiras internacionais, exigindo isso. Para fazer o contraste ainda mais notável, James J. Lee assustado no The Living Daylights e alguns funcionários Discovery Channel, do FMI e do Banco Mundial, querem tomar como refém nações inteiras.

imf
O FMI e o Banco Mundial, tomando como reféns nações inteiras.

No seu Relatório sobre Desenvolvimento Mundial em 1984, o Banco Mundial ameaça as nações que são lentas na execução das políticas do Banco Mundial de "população" com "medidas drásticas, menos compatíveis com a escolha individual e liberdade".

O relatório, literalmente está saturado com propostas desumanizantes, é inteiramente dedicado às estratégias de longo prazo do Banco Mundial em relação ao controle da população:

"(...) A política econômica e o desempenho na próxima década será assunto para o crescimento da população nos países em desenvolvimento por várias décadas e mais além; política da população e as mudanças no resto deste século irão definir os termos para o conjunto da estratégia de desenvolvimento nos próximos. "

Para ilustrar a gravidade na consecução dos objetivos da estratégia global de controle populacional do Banco Mundial, o relatório não se coíbe de ameaças definitivas:

"A política da população tem um prazo longo, outras políticas de desenvolvimento devem entretanto, adaptar-se. Inação hoje exclui "opções para o amanhã", na estratégia de desenvolvimento global e na política de futuro da população. O pior de tudo, a fome hoje pode significar que medidas mais drásticas e menos compatível com a escolha individual e a liberdade, vai parecer amanhã necessárias para desacelerar o crescimento da população. "

No prefácio, o então presidente, do Banco Mundial em 1985 e membro bilderberg, Alden W. Clausen, declarou:

"(...), Embora os custos diretos dos programas do Banco Mundial para redução do crescimento populacional sejam grandes, um maior compromisso da comunidade internacional é extremamente necessário para ajudar os países em desenvolvimento, o grande desafio de desaceleração do crescimento da população."

"(...) Os governos podem utilizar incentivos e desincentivos para assinalar a sua política sobre o tamanho das famílias", afirma o relatório. "Com os incentivos, a sociedade como um todo compensa os casais dispostos a renunciar os benefícios privados de mais uma criança, ajudando a reduzir o fosso entre os ganhos privados e sociais de alta fertilidade."

Para dar um exemplo adequado de preferência do Banco Mundial para o total controle do governo sobre o povo e sua intenção de interferir nas decisões pessoais dos cidadãos, a seguinte citação será suficiente (página 107):

"Ao tributar e gastar de forma a proporcionar casais com incentivos específicos e desincentivos ao limite de sua fertilidade, a política governamental também pode afetar a fertilidade a curto prazo. O governo pode oferecer "recompensas" para as mulheres que adiam a gravidez, que pode compensar as pessoas que se submetem à esterilização de perda de trabalho e os custos de viagem, e que pode fornecer sistemas de segurança e seguro de velhice para os pais que restringem o tamanho de suas famílias. Cada uma destas políticas públicas de obras por meio de sinais que influenciam as decisões individuais e familiares, quando se casar, se deve usar um método contraceptivo, quanto tempo para mandar os filhos à escola, expectativa de vida e quanto e como trabalham os membros da família. "

Sob o cabeçalho "incentivos e desincentivos" (página 121), o Banco Mundial propõe vários outros exemplos da interferência do governo nos assuntos da humanidade livre:

"Para complementar os serviços de planejamento familiar e programas sociais que ajudam a reduzir a fertilidade, os governos podem querer considerar incentivos financeiros e outros e desincentivos como outras formas de incentivar os pais a ter menos filhos. Os incentivos podem ser definidos como os pagamentos dados à um indivíduo, casal ou grupo para retardar ou limitar a procriação, ou uso de contraceptivos. (...). Desincentivos são a retenção de benefícios sociais daqueles cuja família tamanho excede a norma desejada. "

O relatório utiliza o exemplo da China para esclarecer tais medidas podem ser altamente bem sucedida se os governos estiverem dispostos a implementá-las:

"Com exceção da China, os esforços para aumentar a idade de casamento pela persuasão não têm sido particularmente bem sucedidos."

"Na China, a taxa de natalidade no final de 1982 foi estimada em dezenove por 1.000 pessoas, menos do que quarenta em 1960. O valor atual, baseado em registros de nascimento em vez de um censo, pode ser ligeiramente subestimar a taxa real de nascimento, mas ainda seria bem inferior às taxas atuais no Sul da Ásia, África e parte da América Latina. "

Na página 124, no relatório do Banco Mundial fala ainda mais das "maravilhosas" realizações do governo chinês:

"A China tem o mais abrangente conjunto de incentivos e desincentivos, projetado (mais recentemente) em favor de famílias com um filho. Desde o início da década de 1970, mulheres submetidas a vários tipos de operações relacionadas com a fertilidade têm direito a férias pagas, nas áreas urbanas de catorze dias para aborto induzido, dez dias para laqueadura tubária; dois a três dias para a inserção ou remoção de um DIU, e no processo de esterilização pós-parto, sete dias sobre o padrao normal e cinqüenta e seis de licença-maternidade remunerada. "

Estranhamente, o relatório vai ainda mais longe ao ponto de sugerir a introdução vans de "esterilização" e "campos":

"A esterilização masculina, e a feminina com DIU pode ficar mais facilmente disponíveis através de meios móveis (como vans de esterilização da Tailândia) ou "acampamentos"(como vasectomia e-tubectomy cem ampos na Índia e DIU "safaris" na Indonésia)."

Deixando claro que a estratégia global do Banco Mundial para redução da população deve ser implementado de forma específicas de cada país, o relatório afirma:

"A agenda política específica para cada país depende da sua cultura política, sobre a natureza do problema que enfrenta, e sobre o que já realizou."

O que tem de ser global, de acordo com o Banco Mundial, continua a urbanização: as pessoas bem trancado em municípios maciços. O relatório explica:

"Viver em cidades pequenas não reduz menos a fertilidade do que a vida nas grandes cidades. Muitas destas alterações têm tempo para ter um efeito e apenas sublinha a necessidade de começar agora. Ao mesmo tempo, outras medidas se complementam e a velocidade de mudança sócio-econômica pode acelerar o declínio da fertilidade. "

Este relatório está completamente em sintonia com as estratégias traçadas pela ONU, Fundação Rockefeller, Ford Foundation, Organização Mundial da Saúde e FMI, mostrando como eles se movem para despovoar a terra em um esforço consorciado global. Os pretextos para a redução da fertilidade dada ao longo do relatório estao desfarçados através dos logos "desenvolvimento sustentável" e "redução da pobreza". A verdade é que, assim afirma o próprio Banco Mundial, para introduzir e desenvolver "medidas políticas para aumentar o bem-estar das pessoas, bem como (com objetivo de) reduzir a fertilidade."

Fonte: Infowars - World Bank Threatens “Drastic Steps Necessary” if Nations Refuse Population Reduction
Implementation

4 comentários:

Bilder disse...

Eu estou de acordo com a redução da população mas com critérios justos e de acordo com a realidade de cada país ou continente,o que temos visto é uma inversão de nascimentos,com envelhecimento da população,no mundo ocidental europeu,e no entanto quem vai na linha de Sintra sabe que as familias africanas não param de crescer, e isto num país que os casais se abstem de ter filhos por razões economicas etc etc!
Algo de muito errado se passa neste mundo,e claramente a Igreja de Roma tem sido grande influencia ao negar o uso do perservativo em Africa e não só,assim aumentado o numero da população no dito terceiro mundo!!
Por outro lado sabemos que essas organizações globais seguem politicas contraditorias pois os interesses que defendem são os das elites os quais querem população para trabalhar para eles mas quando veem a população a aumentar muito já ficam incomodados,especialmente agora com o aumento da tecnologia que dispensa muita mão de obra.Portanto enquanto foi necessario explorar os seres humanos não se importaram com essa questão,mas quando viram que a tecnologia ia criando desempregados e indigentes começaram então os seus planos de redução de população!!

Maria Helena disse...

Nathan, muito prazer em conhecer seu trabalho. Com certeza estarei por aqui muitas vezes. Hoje estou informando de uma palestra por Andy tomas um Ingles que estará no IPPB de Wagner Borges, fazendo a palestra sobre os círculos Ingleses, e também o Ufologista russo, stonehill. Ambos estiveram no Nucleo de pesquisas ufológicas no décimo segundo Congresso de ufologia de Curitiba. achei excelente, razão pela qual estou divulgando. Coloquei um resumo no meu blog sobre "Os Círculos Ingleses" Por Andy.Deixo o meu abraço com carinho e obrigada pela atenção. Maria Helena

Helena Yildirim disse...

A redução populacional se apresenta como uma forma eficiente e veiculada cuidadosamente pela mídia para nos fazer aceitar as atrocidades vindouras. Não me sinto humana com essa opção. Mas, penso que podemos fazer uma drástica redução das corporações, elas sugam todos os recursos minerais dos lugares por onde se instalam, são como uma praga. Deveria ser proibido o envolvimento entre governantes e empresas sugadoras. Qual é a vantagem de viver em uma sociedade democrática se a única área que se encontra democracia é o campo da teoria. Teoricamente somos uma sociedade democrática, teoricamente somos humanos. Sendo assim, controle populacional deveria significar um controle pessoal de cada humano sobre as atitudes que afetam os demais. Ainda não é tarde demais, eu sou a favor da humanidade!

Anônimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=6InKJ8JVwOE&feature=PlayList&p=CFE088B3EDED0F1A&index=0&playnext=1