sexta-feira, 17 de julho de 2015

Parte 3 (Final) - Análise dos simbolismos do filme "De Olhos Bem Fechados" de Stanley Kubrik

Créditos: Blog A Nova Ordem Mundial


Na terceira e última parte desta série em "De Olhos Bem Fechados", vamos analisar a jornada de Bill como um todo e seu significado esotérico subjacente. Vamos ver como o simbolismo colocado por Kubrick conecta todas as mulheres no filme, fazendo com que Bill encontre uma exploração multi-facetada do princípio feminino.

As partes anteriores desta série de artigos sobre "De Olhos Bem Fechados" foi exclusivamente dedicado à sociedade secreta descoberta por Bill. Esse clube da elite, da qual participaram as pessoas mais poderosas do mundo, lida com o satanismo, magia negra e até mesmo sacrifícios ritualísticos.

Ajudado por seu amigo Nightingale, Bill infiltra em um dos rituais ocultos da sociedade secreta e testemunha uma cerimônia presidida por um sumo sacerdote. Em seguida, uma orgia acontece.

No segundo artigo, eu expliquei como as sociedades secretas da vida real, como o Hellfire Club e a OTO, realmente praticam esses tipos de rituais. Os princípios ocultos por trás deles derivam da ioga tântrica, onde a energia gerada pela excitação física é usada para chegar a um "estado maior". Esse conceito foi reutilizado (e talvez corrompido) por Aleister Crowley, que o chamou de "magia sexual" (sex magick). Segundo ele e seus colegas, o conhecimento desse tipo de magia era o maior segredo das sociedades secretas do passado e só foi divulgado para o mais alto dos iniciados.

Há, no entanto, nenhuma menção (direta) a nada disso em "De Olhos Bem Fechados". Na verdade, a cerimônia testemunhada por Bill, com sua coreografia elaborada e música assustadora, parece ser um grande, vazio e falso teatro dramático que simplesmente existe para dar aos ricos algum tipo de razão mística para envolver-se em libertinagem barata. Embora Kubrick tire o ritual oculto de todo o seu significado esotérico e "mágico", ele infundiu o filme inteiro com isso. Se olharmos para o ritmo do filme, a jornada de Bill e as pessoas que ele encontra, torna-se um tanto evidente que a "magia" não ocorre durante o próprio ritual, mas durante o filme como um todo. Será que Kubrick foi um iniciado em segredos ocultos? Ele estava tentando comunicá-los por meio de seu filme? Vejamos os conceitos por trás do ritual.

A Elevação da Kundalini

O conceito da magia através das forças reprodutivas é dito ter se originado a partir de práticas ritualísticas antigas, visto que vestígios podem ser encontrados no Hinduísmo, Taoísmo e em sociedades secretas medievais, como os Templários. No mundo ocidental de hoje, a OTO é dito ser a herdeira desse caminho, como foi declarado por Aleister Crowley e seu acólito, Theodor Reuss.

"Theodor Reuss foi bastante categórico: a OTO é um corpo de iniciados em cujas mãos se concentrava o conhecimento secreto de todas as ordens orientais e de todos os graus maçônicos existentes (...) A ordem tinha "redescoberto" o grande segredo dos Cavaleiros Templários, a magia do sexo, não só a chave para a tradição egípcia antiga e hermética, mas a todos os segredos da natureza, todo o simbolismo da Maçonaria, e todos os sistemas de religião." 
- Peter Tomkins, The Magic of Obelisks

O princípio básico por trás desse "grande segredo" é a elevação da Kundalini ou "força da vida", uma energia que pode ser utilizada para fins mágicos.

"Em toda a magia tântrica, o requisito essencial - se no êxtase de casais ou no ritual solo de uma sacerdotisa - envolvia a captação da energia conhecida como a serpente de fogo, ou kundalini. Essa energia misteriosa descrita como adormecida no mais baixo dos sete chakras, pode ser despertada por dois métodos distintos, chamados, tradicionalmente, o caminho da mão direita e esquerda. A mão direita atribui supremacia do princípio masculino, a esquerda para o feminino. À medida que o poder da serpente é despertado, de acordo com os clarividentes, ele sobe à espinha dorsal do adepto, energizando cada chakra, até que emerge do crânio - simbolicamente como a cabeça de uma cobra, como aquelas tão claramente representadas na estatuária egípcia.
(...)
Assim como adeptos descrevem a subida da serpente, ela une-se com as "partes da região cerebral" para trazer iluminação - ou a mais alta forma de iniciação, visto que o atual "sobe da dualidade para a unidade, invertendo o caminho que originalmente levou os chakras a procriar a humanidade". 
Os detalhes das iniciações da OTO em hindu e Tantra tibetano, incluindo cerimônias que envolvem o uso de "exudação" de sacerdotisas especificamente treinadas foram trazidos para um público mais amplo pelo seguidor de Crowley, Kenneth Grant. As cortesãs sagradas, especialistas em erotismo ritualístico, conhecidas na Índia como meninas 'nautch' (...) foram extremamente honradas."
- Ibid.

Visto que cortesãs sagradas foram "excepcionalmente honradas" no esoterismo oriental, as ordens de magia negra distorcidas de hoje usam escravos de programação Beta e eliminam-nas quando eles terminam de usá-las. Em suma, exatamente o oposto de estar sendo "extremamente honrado".

A elevação da Kundalini, o conceito por trás da magia tântrica, é totalmente representado em uma única imagem, a representação de Baphomet de Eliphas Levi.

Esta famosa representação do Baphomet inclui todos os símbolos por trás da Magia Sexual - a subida da kundalini (representada pelo pólo fálico envolto por duas serpentes), através da união de forças opostas. A tocha acima da cabeça do bode representa a iluminação

Então, o que tudo isso tem a ver com o "De Olhos Bem Fechados"? À primeira vista, nada de mais. Enquanto vemos um ritual que envolve "cortesãs sagradas" no filme, não há absolutamente nenhuma menção da "elevação da kundalini" durante a coisa toda. No entanto, se dermos uma olhada à viagem de Bill como um todo, desde o início do filme até o fim, percebemos que o verdadeiro ritual não ocorre na mansão da elite, mas dentro da cabeça de Bill. Quando ele encontra novas mulheres e é exposto a novas oportunidades, a kundalini se eleva - e Kubrick adicionou pistas para indicar esse fato.

O Filme como Um Ritual

Embora "De Olhos Bem Fechados" pareça ser apenas sobre sexualidade, ninguém no filme nunca atinge o clímax. Embora Bill tenha muitas chances de satisfazer seus impulsos com mulheres atraentes, isso nunca realmente acontece. No entanto, quando o filme avança, há um claro aumento no desejo, mas Bill consegue mantê-lo sob controle. Administrar essa "força da vida" é o cerne de magia tântrica. Os espectadores são constantemente lembrados desse processo várias vezes durante o filme, quando Bill imagina sua esposa com um oficial naval. Cada flash fica cada vez mais intenso - que vai de beijo a relações sexuais.

Ao progredir do filme, Bill tem flashes de Alice o traindo, que ficam mais intensas. No final do filme, ela está prestes a atingir o clímax. Essas cenas refletem a elevação da kundalini de Bill. Esses flashes são prejudiciais e dolorosos e lembram os espectadores que a jornada de Bill começou com dor e humilhação

No final do filme, Bill fica tão excitado que ele começa a flertar e se agarrar com uma estranha, minutos depois de ele a conhecer. Embora esta cena pareça bastante estranha e surreal, ela reflete seu "progresso" no ritual


As últimas linhas do filme concluem e definem a jornada de Bill. Depois de correr em torno de Nova York e ficar excitado por todos os tipos de coisas, Bill fica cara-a-cara com sua esposa e fala sobre quão "acordado" ele está agora. Com sua "força de vida" totalmente carregada, Alice termina o filme com uma frase completando o ritual:

- Eu te amo. E você sabe, há algo muito importante que nós precisamos fazer o mais breve possível.
- O que é?
- F*der

Acabar o filme nessa nota especial sugere que toda a jornada foi de uma elevação de intensidade, que acabaria por levar a um clímax "magicamente carregado", o objetivo da magia Crowleyana (sex magick).

A jornada de Bill não foi sobre diversão e jogos, no entanto. À medida que o filme avança, há um constante vai-e-vem entre o prazer e a dor, atração e repulsão, a vida e a morte, e assim por diante. A trajetória é apenas sobre a dualidade e, assim como os pisos de lojas maçônicas são xadrez em preto e branco, a jornada de Bill consiste em suas pisadas alternativas em azulejos pretos e brancos - vendo a natureza dualista de todas as coisas.

Eros e Thanatos

A noite de Bill em Nova York é caracterizada por inúmeros encontros com o sexo feminino - cada um deles oferecendo uma "cura" para um coração partido. No entanto, a cada encontro também tem um aspecto potencialmente destrutivo para ele, que contrabalança o seu encanto e atração. Enquanto Bill está procurando procriar, ele vê que seus impulsos geram dor e até mesmo a morte. A jornada de Bill é, portanto, um vai-e-vem entre os dois impulsos básicos do homem tal como definido por Freud: Eros e Thanatos.

Freud viu em Eros o instinto de vida, amor e sexualidade em seu sentido mais amplo, e Thanatos, o instinto de morte e agressão. Eros é o impulso para atração e reprodução; Thanatos em direção a repulsa e a morte. Um conduz à reprodução da espécie, o outro em direção a sua própria destruição. Embora cada um dos encontros de Bill prometam a doce tentação do desejo, eles também têm um lado destrutivo.

O primeiro encontro de Bill ocorre quando ele visita um de seus pacientes regulares que morreu. A filha do paciente morto beija Bill e lhe diz que o ama. Vemos, pois, nesta cena uma justaposição de conceitos de desejo e morte. Além disso, se Bill saísse com essa mulher, isso acabaria por ferir o marido - um outro lado ruim de sucumbir à luxúria

Cada um dos encontros femininos de Bill promete gratificação, mas acaba sendo interrompido por algo negativo, como culpa ou perigo potencial. Além disso, cada vez que Bill está em contato com os aspectos desprezíveis, mas ainda tentadores, do desejo (prostituição ou escravidão), ele rapidamente descobre o lado escuro, explorador e destruidor do mesmo.

Por exemplo, logo após Bill se deliciar em ver as escravas "kittens MK" trabalhando no ritual da elite, ao devolver a sua fantasia, ele imediatamente vê o lado escuro de tudo. O dono da loja, que já pegou a sua filha menor de idade com dois empresários asiáticos e ficou indignado com ela, teve uma súbita mudança de coração.

Em pé atrás do balcão de negócios, o dono da loja vende a sua filha menor de idade como se fosse outro produto. Depois de desfrutar de escravos mascarados em rituais luxuosos, Bill vê o outro lado do "negócio": Meninas estão sendo vendidas por pessoas exploradoras para um sistema que se alimenta de menores, transformando-as em escravos MK. É por isso que essa loja foi chamada de "arco-íris"? 

A jornada de Bill é, portanto, aquela que continuamente se alterna entre o fascínio primal do desejo e as construções sociais destrutivas que são erguidas em torno dele. Não há nada mais básico e instintivo de atração carnal, mas nosso mundo moderno tem feito essas relações complexas, vinculados por regras, e propensas à exploração. Enquanto o desejo é a maneira de a natureza fazer com que os humanos procriem, as construções sociais criaram todos os tipos fetiches, distorções, jogos e perversões em torno desse desejo primal... a tal ponto que ele foi desnaturado e rebaixado a uma obsessão doentia.

Enquanto Bill navega entre a alegria e a dor, casamento monogâmico e perversão anônima, notamos que há um fio comum que une seus vários encontros.

As Mulheres Ruivas

As mulheres mais importantes do filme é a esposa de Bill, sua filha Helena, Amanda (a escrava Beta que foi sacrificada no ritual) e Domino (a prostituta que ele conheceu na rua). Todas as três mulheres adultas são um pouco fisicamente semelhantes, visto que são altas, bem proporcionadas, e ruivas. Elas também parecem estar ligadas a "outro nível".

Embora Alice seja uma respeitável senhora de classe alta, ela ganha a vida usando sua aparência em relações sem amor, um pouco parecido com o que uma prostituta faria. Por outro lado, o tempo gasto entre Bill e Domino é doce e terno, um pouco com o que acontece em um relacionamento amoroso. Alice não é, portanto, muito diferente de Domino, e vice-versa.

Há também ligações com Amanda. Embora Alice não estivesse (provavelmente) no ritual oculto que Bill participou, quando ele retorna dele, ela o descreve um sonho que é semelhante ao que ele acabara de testemunhar e que Amanda apenas experimentou.

"Ele estava me beijando. Então nós estávamos fazendo amor. Em seguida, houve todas essas outras pessoas ao nosso redor, centenas deles, em todos os lugares. Todo mundo estava f******. E então eu ... eu estava f***** com outros homens. Tantos. Eu não sei com quantos eu estava. E eu sabia que podia me ver nos braços de todos esses homens... só f***** com todos esses homens."

O sonho de Alice a "conecta" com Amanda que estava no ritual e que realmente viveu o sonho de Alice.

A máscara Domino

Olhando mais de perto para o "círculo mágico", formado por mulheres do ritual, podemos identificar algumas mulheres que poderiam ser Domino. No dia após o ritual, Bill aparece na casa de Domino com um presente, mas seu companheiro de quarto lhe informa que ela é HIV-positivo... e que ela talvez nunca estará de volta novamente. Isso é verdade ou Domino foi mais uma "vítima" na jornada de Bill? Assim como Amanda e Nightingale, Domino desaparece misteriosamente depois do ritual.
O fato de essas mulheres estarem todos conectadas revela um algo fundamental: a jornada de Bill não é sobre uma mulher específica, é sobre o princípio feminino como um todo. É uma busca esotérica de entender e "ser um com" o princípio feminino que é oposto ao seu.

Helena no Mesmo Caminho?

Durante todo o filme, Helena (filha de Bill) mostra-se preparada para ser uma outra Alice. Existem também algumas pistas que ligam Helena a Domino. Por exemplo, há um carrinho na frente do apartamento de Domino e, no final do filme, na loja de brinquedos, Helena fica muito interessada por um carrinho de bebê e mostra para sua mãe.

Domino em sua cama com um felino de pelúcia, símbolo da programação Kitten Beta

Uma fileira inteira mostra exatamente o mesmo brinquedo na loja onde Helena faz compra na cena final do filme

Há também algo estranho sobre a cena acima: os dois homens atrás de Helena estiveram na festa de Ziegler no início do filme.

Os dois mesmos homens na festa de Ziegler: o mesmo cabelo, a mesma estatura física e o cara da direita usa óculos semelhantes

Por que esses dois homens estão na loja olhando para os brinquedos? Nova York é uma cidade tão pequena assim? Kubrick estava sem atores extras para aparecer na cena? Improvável. Será que eles são parte da sociedade secreta que está seguindo Bill e sua família? Fato estranho: Quando os homens vão embora e desaparecem da cena, Helena parece segui-los... e não a vemos mais no restante do filme. A câmera, na verdade, dá um zoom em Alice e Bill, que estão completamente preocupados. Será essa uma forma muito sutil de dizer que sua filha vai ser agora "sugada" pelo sistema de escravos Beta da sociedade secreta? Outro enigma.

Conclusão

As obras de Stanley Kubrick nunca são estritamente sobre o amor ou relacionamentos. O simbolismo meticuloso e as imagens de todas as suas obras, muitas vezes comunicam uma outra dimensão do significado - que transcende o pessoal para tornar-se um comentário sobre a nossa época e civilização. E, nesse período de transição entre o final do século 20 e início do século 21, Kubrick conta a história de um homem confuso que vagueia por aí desesperadamente à procura de uma maneira de satisfazer o seus instintos mais primitivos. Kubrick conta a história de uma sociedade que está completamente degradada e corrompida por forças ocultas, onde o instinto de procriação mais primordial da humanidade tem sido banalizado, fetichizado, pervertido e explorado a um ponto de perder toda a sua beleza. No topo desse mundo está uma sociedade secreta que se revela nesse contexto, e vive nele. A perspectiva de Kubrick sobre o assunto definitivamente não era nem idealista, nem muito otimista.

Seu conto sombrio se concentra em um único homem, Bill, que está procurando algo indefinido. Mesmo que ele pareça ter tudo, há algo faltando em sua vida. Algo visceral e fundamental que nunca se coloca em palavras, mas que é bastante palpável. Bill não pode ser completo se ele não está em paz com o oposto dele: o princípio feminino. A busca de Bill, portanto, segue o princípio esotérico de unir duas forças opostas em uma só. Como sugerido pelas últimas linhas do filme, Bill acabará por "ser um" junto de sua esposa. Depois disso, o processo alquímico e o ritual tântrico estaria completo. No entanto, assim como Kubrick de alguma forma comunica na cena final, mesmo que essas duas pessoas extremamente egoístas e superficiais acreditem que eles chegaram a uma espécie de epifania, o que isso realmente muda? Nossa civilização como um todo ainda tem os olhos bem fechados... e estas foram as últimas palavras cinematográficas de Kubrick.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...