Mostrando postagens com marcador fome. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador fome. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Texto: Desperte, Agora

Autor: Blog InfoWorld
Com contribuição do Blog Wake Up!

Vamos pensar um pouco, digamos que tudo o que você sabe sobre o sistema e a sociedade em que vive, não seria considerado errado, mas sim, uma mentira altamente planejada pelos homens considerados "iluminados", as 13º famílias mais ricas do mundo, que de geração em geração vem implementando tecnicas de controle da mente, através do medo e da ignorância. Nossa mente é literalmente bombardeada, cheia de mentiras sobre você, sobre o verdadeira lado real da história, enfim sobre o mundo em que vivemos, tudo isso foi planejado a milhões de anos e que está ocorrendo agora mesmo, pelas forças negativas, no qual querem conquistar o mundo, eles querem controlar tudo, realmente tudo. Se isso ocorrer, caminharemos para a autodestruição. Se cada um de nós despertarmos, entao esse planeta viva a maior transformação que talvez ele ja tenha passado.

Se deixarmos tudo como está, ficaremos nesse mesmo padrao de fome e miséria, vamos acabar morrendo e mundo continuará a ser controlado por eles, seus filhos, netos, também vão ser, porque a sociedade, só se importava com o ato de consumir, trabalhar e esperar que a mídia "pense" em seu lugar, que fazem tudo aquilo que as pessoas que controlavam nos bastidores mandavam, ou seja, era passar medo e fazer com que você acredite na informação falsa, uma visao "casca de ovo" da vida, como diria o Icke.

Ou poderemos ir para o outro caminho, abrindo-se para a verdade e a divulgando, nao a impondo mas apenas divulgando, deixando a escolha para quem a ver, como por exemplo, o sistema bancário, sobre como funciona o mundo, sobre as taticas de problema-reação-solução, você pode alertar as pessoas, fazer com que elas, despertem e olhem por de trás das cortinas e assim podemos espalhar essas informações, ajudando outros a trilharem o caminho da liberdade, soltando-se das amarras seccionais do sistema. Se nós agirmos juntos num só objetivo, podemos com certeza, vencer e a humanidade retomará seu poder de decisão sobre nosso destino.

Não podemos culpar somente a "elite", porque nós somos tão culpados quanto a eles, porque somos nós que os sustentamos, não podemos ficar com cara de coitados e sermos vítimas, fazendo uma nova guerra de "nós e eles". Sim, nós somos vítimas, mas vítimas de nós mesmos, aceitando tudo o que vemos em vez de fazermos escolhas, continuando a alimentar esse sistema e aos poucos nós entregamos para eles a nossa liberdade, em um padrao onde alguns guiam bilhoes, e seu rebanho segmentado e regido pela policia de nós mesmos. Essa decisão parte do principio de que todos nós criamos a realidade, e todos nós podemos mudá-la, partindo do individuo para o coletivo, nao na base da "luta pela liberdade", mas sim na ESCOLHA pela liberdade.

A hora é agora, essa é hora de nos libertarmos, tomos somos livres, podemos mudar o passeio quando queremos, como diria Bill Hicks. Somos uma grande consciencia vivendo eternamente no caminho evolutivo. Continuemos nossa jornada, vamos lá pessoal, nós podemos mudar nossa realidade, eles têm ódio, nós temos o amor e assim vamos conseguir e teremos um futuro digno da expressão humanidade.

Algumas frases para refletir:

"Nós somos o que pensamos e o mundo é aquilo que todos nós pensamos" - David Icke

"Toda a matéria somente é energia condensada a uma vibração lenta. Então nós somos todos uma consciência que se experimenta subjetivamente. Não há nenhuma tal coisa como a morte. A vida é só um sonho. E nós somos a imaginação de nós mesmos." - Bill Hicks

Abraços

sábado, 23 de outubro de 2010

Campanha contra à fome da ONU - Mais pretextos para a nova ordem mundial

Créditos do Blog Anti Nova Ordem Mundial

Logo da campanha

Recebi por email um apelo para assinar um abaixo assinado que encoraja as pessoas ficarem com raiva pelo fato de que 1 bilhão de pessoas passam fome e para pedir ações das autoridades. O slogan da campanha é "1.000.000.000 people live in chronic hunger, and I'm mad as hell" que na página em português está traduzido como "1.000.000.000 de pessoas vive com fome crônica, e eu estou louco de raiva!!". A primeira vista um movimento digno de elogios, correto? Correto, até a hora em que você vê quem está por trás da ação: a FAO, ou Organização de Alimentos e Agricultura das Nações Unidas, que claro, é mais uma organização fundada e gerenciada pela a elite.

Vamos lembrar inicialmente que em primeiro lugar a FAO é a responsável, juntamente com a OMS (Organização Mundial da Saúde), pelo infame Codex Alimentarius. O Codex Alimentarius, por trás de uma fachada de criação de orientações para produção de alimentos, esconde uma regime totalitário de controle de alimentos que visa suprimir o uso de suplementos alimentares como vitaminas, ervas e minerais, além de tornar padrão o uso de pesticidas até então banidos e o uso de trangênicos. Saiba mais sobre o Codex Alimentarius aqui.

Como tudo que vem da ONU, podemos esperar uma fachada benigna escondendo o real objetivo: controle populacional e governo global. Como o presidente americano Obama e o próprio CFR já disseram anteriormente, "é necessário uma solução global para
um problema global". O padrão se repete, criam ou deixam acontecer um problema, para então trazer uma solução que envolva, de uma forma ou outra, um órgão regulador trans-nacional. Vimos isto acontecer com o aquecimento global (ops, quer dizer, mudança do clima), com a bio-diversidade (ainda estão no início), e agora utilizando a fome.

Vendo o suporte da FAO (através do codex) às grandes empresas de alimentos e produtores de sementes trangênicas e agrotóxicos como a Monsanto, não seria esta uma ótima oportunidade para "distribuir" sementes geneticamente modificadas para desestabilizar de vez a agricultura destes países sub-desenvolvidos e mantê-los dependentes para sempre?

Na página da campanha podemos encontrar as possíveis ações para combater a fome :

- dar oportunidades e educação para pequenos agricultores para eles produzirem alimento o suficiente (educação para utilizar agrotóxicos e trangênicos?)
- aumento das comunidades rurais para expandir oportunidades de trabalho
- diminuir a velocidade da migração rural->urbana
- mais ênfase em melhorar o acesso de pequenos fazendeiros ao mercado doméstico e internacional

Em sua página que descreve as razões de ainda existir fome no mundo, me surpreendeu a afirmação "Falta de comida não é o problema". Realmente esperava a velha ladainha de que não há comida o suficiente, e que a salvação seria os trangênicos, mas não. Ou que a fome existia por causa da super-população, que sabemos agora ser um mito.

Outro ponto, estando a maioria das pessoas que passam fome nos países em desenvolvimento, não seria esta ação uma forma de estabelecer controle sobre estes países, sob o pretexto de levar ajuda para os famintos?

E em uma amostra das reais intenções globalistas, no vídeo de divulgação da campanha, inserido logo abaixo, aproveitam para dar apoiar a mentira do aquecimento global antropogênico, dizendo: "parece que estamos presos num mundo em que não se pode mudar nada, a não ser o clima, toda vez que checamos os noticiários ou fomos atingidos por um sismo ou por uma tempestade, ou ....". Nada para se surpreender, já que a FAO é parte da ONU, que também gerencia o IPCC, um órgão de cientistas inescrupulosos e burocratas que raptaram o movimento ambientalista para levar à frente sua agenda de globalização e controle.

Eu honestamente gostaria muito de que se acabasse com a fome em todo o mundo, mas infelizmente acredito que esta campanha tenha objetivos menos legítimos que ajudar os famintos do mundo. A fome no mundo é planejada e tem muitos outros motivos do que estes que esta campanha anuncia.

Se houvesse alguma legitimidade nas intenções da ONU em acabar com a fome, vocês acreditam que iriam recomendar gastar centenas de bilhões de dólares em vacinas inúteis contra o H1N1 quando menos pessoas morriam do que com a gripe comum e milhares de pessoas morrem de fome todos os dias?



Eu recomendo alguns filmes que ajudam a entender melhor o problema da fome no mundo:

Nós alimentamos o mundo (filme)
O futuro dos alimentos
Filme: O Mundo Segundo a Monsanto
Codex Alimentarius – Nutricídio planejado
Documentário: A Corporação, A Busca Patológica por Lucro e Poder

Fontes relacionadas:
FAO: Página principal da campanha
Página em português da campanha
Post no blog novo

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Guerra, racismo e o Imperio da Pobreza - primeira parte

por Andrew Gavin Marshall


Global Research, 22 de março de 2010

Tradução: Revelatti

Em um momento de turbulência internacional tão grande, economicamente e politicamente, é cada vez mais importante identificar e compreender a dinâmica da crise social. A crise social começou muito antes da crise econômica, e só foi agravada por ela. A grande vergonha da civilização humana é o fato de que mais da metade dela vive em uma pobreza abismal.

A pobreza não é simplesmente uma questão de 'má sorte', é resultado de fatores sócio-político-econômicas que permitem que muito poucas pessoas no mundo controlem tanta riqueza e tantos recursos, enquanto muitos ficam com tão pouco . O sistema capitalista mundial foi construído sobre a guerra, a raça, e o império. Malcolm X, uma vez declarou: "Você não pode ter capitalismo sem racismo".

A economia política global é um sistema que enriquece muito poucos em detrimento da grande maioria. Esta exploração é organizada através do imperialismo, da guerra e a construção social de raça. É de vital importância para abordar a relação entre a guerra, a pobreza e raça no contexto da atual crise econômica global. As nações ocidentais se apoderaram do resto do mundo durante séculos, e agora o grande império está partindo para casa. O que é feito no estrangeiro vem para ficar.

A Construção Social da 'Raça'

500 anos atrás, o mundo estava passando por grandes transformações, quando ocorreu a colonização de Espanhois, Portugueses, Franceses e britânicos no "Novo Mundo" e, um novo sistema de "capitalismo" e "estados-nação" começaram a surgir. O mundo estava em um grande período de transição e de mudança sistêmica em que foram os europeus que emergiram como potências mundiais dominantes. As colônias nas Américas necessitavam de uma força de trabalho maciça, "Entre 1607 e 1783, mais de 350.000 trabalhadores com vinculo "branco" chegaram nas colônias britânicas." [1]

As Américas tiveram tiveram negros e brancos nao-livres, com os negros sendo uma minoria, ainda que "exerce direitos básicos de direito." [2] Problemas chegaram na forma de elites de tentaram controlar a classe operária. Os escravos eram constituídos de índios, negros e brancos trabalhadores, no entanto, surgiram problemas com essa população "mista de trabalho não-livre. O problema com os trabalhadores indígenas foi que eles conheciam a terra e poderia fugir para "território" não descobertos e da escravidão, muitas vezes instigar rebeliões e guerra:

Os custos sociais de tentar disciplina um trabalhador livre indígena tinha revelado demasiado elevado. Nativos acabariam por serem eliminados genocidamente, uma vez que de liquidação da população e do poder militar fez vitória mais ou menos certo, por enquanto, porém, diferentes fontes de vínculo de trabalho tiveram que ser encontradas [3].

Entre 1607 e 1682, mais de 90.000 imigrantes europeus, "três quartos deles fiduciária de títulos de trabalhadores, foram levados para a Virgínia e Maryland." Após a criação "da Real Companhia Africana em 1672, um suprimento constante de escravos africanos foi garantido . "Problemas tornaram-se cosntantes, no entanto, como as classes mais baixas tendem a ser muito rebeldes, que consistia em "um amálgama das servos e escravos, de brancos pobres e negros, de homens livres sem terra e os devedores. "As classes mais baixas foram unidos na oposição às elites oprimi-los, independentemente da sua origem [4].

Rebelião de Bacon de 1676 foi de particular importância, quando trabalhadores com vinculo, negros e brancos, rebelaram-se contra as elites locais e "exigiram a libertação da servidão com bens móveis." Para os colonialistas "estas imagens de uma insurreição conjunta dos escravos negros e brancos, mostrou-se traumática. Diante de uma rebelião unida das classes mais baixas, a burguesia fazendeira entendeu que todo o seu sistema de exploração colonial e privilégio estava em risco. "[5]

Em resposta a esta ameaça, a elite agrária "abrandou a servidão dos trabalhadores brancos, intensificou os laços da escravidão negra, e introduziu um novo regime de opressão racial. Fazendo isso, eles efetivamente criaram a raça branca - e com ele a supremacia branca. "[6] Assim, "as condições dos funcionários brancos e negros começaram a divergir consideravelmente após 1660. "Depois disso, a legislação vai separar brancos e negros da escravidão, evitar os casamentos "mistos", e procurar evitar a procriação de crianças "mistas" . Considerando que antes de 1660, muitos escravos negros não foram contratados para a vida, isso mudou a lei colonial cada vez mais "servidão imposta vida dos funcionários negros - e, especialmente significativo, a maldição da servidão da vida para sua prole." [7]

Uma característica central da construção social da divisão racial era "a negação do direito de voto", como a maioria das colônias anglo-americanas previamente autorizavam negros livres para votar, mas isso mudou lentamente por todas as colônias. A classe dominante da América foi, essencialmente, "inventou a corrida." Assim, "a liberdade era cada vez mais identificado com a raça, nem classe". [8]

É a isso que as idéias de raça e, posteriormente, a ciência de "raça" surgiu, como a eugenia tornou-se a ideologia dominante das elites ocidentais, tentando cientificamente "provar" a superioridade de 'brancos' e 'inferioridade' de 'negros'. Isso levaria a uma dupla natureza de justificar a dominação branca, bem como fornecendo uma justificativa para tanto e pretexto para oprimir o povo negro e, de fato, pessoas de todas as 'raças'. Isso era especialmente evidente, como no final dos anos 1800 e o início de 1900 os impérios europeus se comprometeram a "Partilha da África" em que colonizaram o continente inteiro (salvo Etiópia). Foi em grande parte justificado como uma "missão" civilizadora, ainda, que era fundamentalmente sobre o acesso aos recursos vastos da África.

Após a II Guerra Mundial, o poder global descansou predominantemente nos Estados Unidos, a hegemonia de liderança, ampliando os interesses econômicos da América do Norte e Europa Ocidental ao redor do mundo. Guerra, o império, e o racismo foram elementos centrais dessa expansão. Em grande parte, a pobreza tem sido o resultado. Agora, o império volta para casa.

Força Global de Trabalho

O mundo tem cerca de 6,8 bilhões de pessoas, metade deles do sexo feminino. A economia mundial tem uma força de trabalho de 3.184 bilhões de pessoas e de todas as pessoas empregadas no mundo, 40% são mulheres. Enquanto o mundo está dividido igualmente entre homens e mulheres, 1,8 bilhões de homens estão empregados, em comparação a 1,2 bilhão de mulheres. A população de pessoas de empregos de salários baixos e longas horas de trabalho a tempo parcial são predominantemente mulheres [9].

Pobreza e Riqueza Global

Em 1999, das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) informou que, "embora 200 milhões de pessoas melhoraram seus rendimentos entre 1965 e 1980, mais de 1 bilhão de pessoas experimentaram uma gota de 1980-1993." Em 1996 ", 100 países foram piores off de 15 anos [antes]. "No final dos anos 1960," o povo dos paises ricos (20 por cento da população mundial mora neles)viviam 30 vezes melhor do que aqueles em países mais pobres. Em 1998, essa diferença havia aumentado para 82 vezes (acima de 61 vezes desde 1996). "A partir de 1998, 3 bilhões de pessoas vivem com menos de 2 dólares por dia, enquanto 1,3 bilhões conseguem menos de US$ 1 por dia. Setenta por cento das pessoas que vivem com menos de 1 dólar por dia são mulheres. "[10]

Elites e acadêmicos, bem como os principais movimentos sociais nas nações ocidentais que focam o crescimento da população como sendo o condutor da linha da pobreza global, falando como os malthusianos; a pobreza tornou-se o problema causado pelo "crescimento demográfico", em oposição a um problema causado pela riqueza e distribuição de recursos. Em 2003, um relatório do Banco Mundial revelou que, "uma minoria da população mundial (17%) consomem a maior parte dos recursos do mundo (80%), deixando quase 5 bilhões de pessoas a viver nos restantes 20%. Em conseqüência, milhares de pessoas estão vivendo sem as necessidades básicas da vida - alimento, água e habitação e saneamento ". Adicionais:

1,2 bilhões (20%) da população mundial vive com menos que US$ 1/dia, outro 1,8 bilhão (30%) vive com menos de 2 dólares por dia, 800 milhões vão para a cama com fome todos os dias, e 30.000 - 60.000 morrem a cada dia de fome somente. A história é a mesma, quando se trata de outras necessidades, como água, habitação, etc educação. Por outro lado, no lado da acumulação de riqueza e poder, onde o mundo cerca de 500 bilionários possuem ativos de 1,9 trilhão de dólares, uma soma maior do que a renda dos 170 países mais pobres em todo o mundo [11].

Outros números do relatório do Banco Mundial incluem o fato de que, "O mundo 358 multimilionários têm ativos superiores a renda anual combinada dos países com 45 por cento das pessoas do mundo", e "O Produto Interno Bruto (PIB) dos países mais pobres de 48 países (ou seja, um quarto dos países do mundo) é menor do que a riqueza do mundo das três pessoas mais ricas combinados. "Incrivelmente, "algumas centenas de bilionários agora possuem tanto dinheiro quanto 2,5 bilhoes de pessoas mais pobres, juntas, no mundo. "[12]

No que diz respeito à pobreza e as estatísticas da fome, "Mais de 840 milhões de pessoas no mundo estão subnutridas, 799 milhões deles são de países em desenvolvimento. Infelizmente, mais de 153 milhões deles são menores de 5 (metade da população dos EUA inteira). "Além disso, "Cada dia, 34.000 crianças menores de cinco anos morrem de fome ou de outras doenças relacionadas à fome. Isso resulta em 6 milhões de mortes por ano. "Isso equivale a um "Holocausto da Fome", que acontece a cada ano. Em 2003, "Dos 6,2 bilhões vivendo hoje, 1,2 bilhões vivem com menos de 1 dólar por dia. Cerca de 3 bilhões de pessoas vivem com menos de 2 dólares por dia. "[13]

Em 2005, segundo estatísticas do Banco Mundial, "Mais de metade da população mundial vive abaixo da linha de pobreza definida internacionalmente de menos de US$ 2 dólares por dia", e " quase um terço da população rural em todo o mundo não têm acesso a água potável. "[14]

Em 2006, um inovador e abrangente relatório divulgado pelo Instituto Mundial para o Desenvolvimento de Pesquisas Econômicas da Universidade das Nações Unidas (UNU-WIDER) informou que, "O mais rico de 2% dos adultos no mundo possuem mais da metade da riqueza das famílias global." Uma incrível estatística surpreendente foi que:

Apenas 1% dos adultos têm sozinhos em sua propriedade 40% dos ativos globais no ano de 2000, e os 10% dos mais ricos adultos são responsáveis por 85% do total mundial. Em contraste a metade inferior da população adulta mundial (50%) possuem apenas 1% da riqueza global [15].

Repetindo: o top 1% detém 40% do património mundial, o top 10% possui 85% de ativos do mundo, e 50% inferior possui 1% dos ativos globais.

O relatorio de 2009 da ONU de Desenvolvimento do Milénio afirma que, na esteira da crise econômica global e a crise alimentar global, que precedeu e prosseguiu com a crise econômica, o progresso em direção aos objetivos de redução da pobreza são ameaçadas por um lento - ou mesmo negativo - crescimento econômico , os recursos diminuídos, menos oportunidades comerciais para os países em desenvolvimento e possíveis reduções nos fluxos de ajuda dos países doadores. "[16]

O relatorio de Desenvolvimento do Milênio(ODM) ainda afirma que em 2009, "estima-se que entre 55 a 90 milhões de pessoas mais estarão vivendo em extrema pobreza do que o previsto antes da crise." E também, "a tendência encorajadora na erradicação da fome desde o início 1990 foi revertida em 2008, principalmente devido ao aumento dos preços dos alimentos. "A fome nas regiões em desenvolvimento aumentou 17% em 2008, e "as crianças carregam o peso da carga. "[17]

Em abril de 2009, uma grande instituição de caridade global, Oxfam, relatou que os pacotes de trilhoes de dolares dados para salvar bancos poderiam ter sido o suficiente "para acabar com a pobreza extrema no mundo por 50 anos." [18] Em setembro de 2009, a Oxfam relatou que o crise econômica "está forçando 100 pessoas por minuto, a viverem em situação de pobreza." Oxfam afirmou que "os países em desenvolvimento em todo o mundo estão se esforçando para responder à recessão global que continua a reduzir a renda, destrói empregos e ajuda a empurrar o número total de famintos pessoas no mundo para acima de 1 bilhão. "[19]

A crise financeira atingiu o "mundo em desenvolvimento" muito mais que os países ocidentais desenvolvidos do mundo. A ONU informou em março de 2009 que, "Redução de crescimento em 2009 terá um custo de 390 milhões de pessoas na África Subsariana que vivem na pobreza extrema, cerca de US $ 18 bilhões, ou US$ 46 por pessoa", e "Esta perda projetada representa 20 por cento da renda per capita dos pobres da África - um número que supera as perdas sofridas no mundo desenvolvido. "[20]

Enquanto regiões mais ricas do mundo estão na América do Norte, Europa e Ásia-Pacífico, respectivamente, a grande maioria do resto do mundo vive na pobreza bruta. Esta disparidade é "um código de cores, também, como o topo, os mundos ricos, são brancos, enquanto o mundo pobre, a grande maioria da população mundial, são pessoas de cor. Essa disparidade é ainda mais polarizada quando o gênero está incluído, como a maioria dos ricos são homens, enquanto a maioria dos pobres são mulheres. Esta disparidade de uma escala global chegará para uma escala nacional nos Estados Unidos.

Raça e Pobreza na América

Nos últimos meses da vida de Martin Luther King, ele concentrou sua atenção para a luta contra a pobreza. Hoje, "Infelizmente, na medida em que o país tem perdido a respeito dos direitos civis, mais americanos vivem na pobreza hoje que no tempo de colonia. Quarenta milhões de pessoas, 13% da população, atualmente abaixo da linha da pobreza. "Em 1967, King escreveu:

No tratamento da pobreza nacional, um fato se destaca. Há o dobro de brancos pobres, como negros pobres nos Estados Unidos. Por isso não vou me debruçar sobre as experiências de pobreza que resultam da discriminação racial, mas vai discutir a pobreza que afeta branco e negros. [21]

Hoje, "mais brancos do que negros ainda vivem na pobreza, mas uma maior proporção de minorias cair abaixo da linha da pobreza, dos quais 25% dos negros e 23% dos latinos (em comparação com 9% dos brancos). empregos estáveis, boa moradia, educação integral e saúde adequada ainda são desiguais, inadequados e, em muitos casos, indisponíveis. "King escreveu:" A maldição da pobreza não tem justificativa em nossa época. Chegou o momento para que nós nos lutassemos pela abolição total, direta e imediata da pobreza. "[22]

Em 1995, uma pesquisa do Federal Reserve constatou que "a riqueza dos um por cento dos norte-americanos é maior do que 95 por cento do fundo." Além disso, as projeções "Riqueza de 1997 sugerem que 86 por cento dos ganhos do mercado bolsista entre 1989 e 1997 foi os dez por cento dos agregados familiares, enquanto 42 por cento ficaram com um por cento. "[23]

Disparidade de riqueza não é daltônico. A partir de 1998, "O valor líquido do modesta [das famílias brancas] era 8 vezes maior do que Africano-americanos e 12 vezes maior do que os hispânicos. A riqueza média financeira dos Africano-Americanos (patrimônio líquido menos home equity) [era] $ 200 (um por cento dos $ 18.000 para os brancos), enquanto que a de hispanos [era] quase zero ". Além disso," a dívida das famílias em percentagem da renda pessoal subiu de 58 por cento em 1973 para 85 por cento estimado em 1997. "[24]

Em 2000, um estudo de grande universidade revelou que os pobres eram mais prováveis a serem auditados pelo IRS do que os ricos. [25] Em dezembro de 2009, o Seattle Times publicou um artigo em que contam a história de Rachel Porcaro, mãe de 32 anos de dois meninos. Ela foi convocada para o IRS de volta em 2008, onde ela estava disse que estava sendo auditado. Quando ela perguntou o porquê, foi-lhe dito que, "Você fez dezoito mil, e os nossos dados mostram uma família de três pessoas precisa de pelo menos trinta e seis mil para conseguir viver em Seattle." Assim, "Eles pensaram que ela deve ter renda não declarada. Que ela estava escondendo algo. Basicamente, ela explicou na auditoria que nao tinha como ganhar dinheiro sulficiente. "[26]

O repórter do Seattle Times escreveu que "Estima-se que 60.000 pessoas em Seattle, vivem abaixo da linha da pobreza - o que significa que eles fazem $ 11.000 ou menos para um indivíduo ou $ 22.000 para uma família de quatro pessoas. Será que o IRS recolhem eles para análise, simplesmente porque eles são pobres? "Ele contatou o escritório local do IRS com essa questão, pois eles "disseram que não poderia comentar por razões de privacidade". O que se seguiu a auditoria inicial era ainda pior:

Ela tinha uma odisséia de um ano para o IRS. Depois de ter sido dito que não poderiam sobreviver em Seattle, em tão pouco, ela foi notificada ela retorna para 2006 e 2007 tinham sido encontrados "deficiencias". Ela devia ao governo mais de $ 16.000 - com menos de 1 ano para pagar.

[...] Depois disso, Rachel ainda teve que retornar. A questão foi que ela e seus dois filhos, com idades entre 10 e 8, vivem todos na casa de seus pais em Rainier Beach (ela paga US$ 400 por mês de aluguel). Assim, o IRS concluiu que ela não estava oferecendo para os seus filhos e, portanto, não pode reclamá-los como dependentes [27].

Um amigo da família que era um contador determinou que a Receita Federal estava errada em sua interpretação da legislação tributária; "Ele enviou os códigos das citações necessárias e esperando que seria o fim dela." Mas a história não acabou: "Em vez , respondeu o IRS através do lançamento de uma auditoria dos pais de Rachel. "Rachel disse," Nós estamos sobrevivendo como uma tribo. Parece que temos punidos por isso. "[28]

A fiscalização é uma questão importante relacionada à pobreza. Um importante relatório publicado em novembro de 2009 revelou que o estado do Alabama "obriga famílias que vivem na pobreza a pagar impostos de renda mais altos do que qualquer outro estado." Assim, "na baixa renda, nós temos algumas das mais altas taxas do país porque o nosso sistema está de cabeça para baixo. "[29]

Em novembro de 2009, as estatísticas impressionantes se revelaram como um verdadeiro teste de pobreza na América:

Com o uso de alimentos selo de recordes e subindo a cada mês, um programa, uma vez desprezado como um regime de bem-estar não agora ajuda a alimentar um em cada oito norte-americanos e uma em cada quatro crianças.

Ela tem crescido tão rapidamente em lugares tão diversos que se torna quase tão comuns como os mantimentos de compra. Mais de 36 milhões de pessoas usam cartões de plástico para comprar coisas como leite, pão e queijo, e lojas e balcoes dão cada vez mais sinais de falencias nos suburbios.

Praticamente todos têm rendimentos próximos ou abaixo da linha de pobreza federal, mas suas fileiras ecléticas testemunham a variedade de pessoas que lutam com as necessidades básicas. Eles incluem as mães solteiras e casais, os beneficiários do recém-desempregados e os pobres crônicos, de longa data dos controle e bem-estar dos trabalhadores, cuja redução do horário ou magro salário deixam dispensas vazias[30].

Os usuários do programa de tickets alimentar está crescendo ao ritmo de 20.000 pessoas por dia, como "Há 239 municípios nos Estados Unidos, onde pelo menos um quarto da população recebe vale-refeição" e "Em mais de 750 municípios, o programa de ajuda alimentar um em cada três negros. Em mais de 800 municípios, quem recebem ajuda alimentar um em cada três crianças. "Além disso, os tickets de alimento atingiram cerca de dois terços dos eleitores de âmbito nacional. [31] Assim, há mais 18 milhões de americanos, potencialmente para utilizar vale-refeição, que faria o valor subir para 54 milhões.

Em 2008, as cidades-tenda começaram a aparecer em torno de cidades de todo os Estados Unidos, como a população de rua rapidamente se expandiu como nunca antes.[32] The Guardian informou, em março de 2009, que "as cidades tenda lembra os
"Hoovervilles" da Grande Depressão que foram surgindo em várias cidades dos Estados Unidos - a partir de Reno, em Nevada para Tampa, na Flórida - como arrestos e despedimentos de famílias de classe média a partir de suas casas. "[33]

Em abril de 2009, em artigo ao jornal alemão Der Spiegel publicou um relatório sobre a classe média dos EUa está sendo jogada na pobreza, em que os autores escreveram, "A crise financeira os EUA provocou uma crise social de dimensões históricas. cozinhas de sopa de repente uma grande demanda e as cidades de tendas estão brotando à sombra de torres de escritórios reluzentes. Adicionais:

Pobreza como um fenômeno de massa está de volta. Cerca de 50 milhões de americanos não têm seguro de saúde, e mais pessoas estão se somando a eles todos os dias. Mais de [36] milhões de pessoas recebem cupons de alimentos e 13 milhões estão desempregados. A população de rua está crescendo em tambem com um rápido aumento na taxa de execuções hipotecárias, que aumentaram 45 por cento maior em março de 2009 do que eram no mesmo mês do ano anterior.

[...] A crise no terço inferior da sociedade se transformou em uma ameaça existencial para alguns americanos. Muitas sopas estão se afastando a fome, e até mesmo novas instalações, construídas às pressas para abrigar os sem-teto são muitas vezes insuficientes para satisfazer a crescente demanda.

Muitas empresas privadas através de América estão retirando seu financiamento a projetos de bem-estar social. Ironicamente, sua generosidade está acabando assim como a pobreza em massa está retornando aos Estados Unidos [34].

Crime também foi relatado aumento a um ritmo dramático. Um criminologista explicou que, em face de mais americanos lutando em épocas econômicas duras, "O sonho americano para eles é um pesadelo, e a terra da oportunidade é apenas uma piada cruel." Estatísticas foram confirmando suas previsões de um aumento das crises relacionadas crime, em abril de 2009 foi "um dos meses mais sangrentos na história criminal americana." Um professor de criminologia declarou: "Eu nunca vi um número tão grande(de assassinatos) durante um período tão curto de tempo envolvendo tantas vítimas. "[35]

No meio da euforia sobre uma recuperação econômica percebida, que ainda tem de "trickle down" para o povo, as cidades da barraca não desapareceram. No final de fevereiro de 2010, foi relatado que, "apenas uma hora fora de New York City, uma cidade próspera barraca dá um lar aos refugiados da crise econômica." Muitas pessoas em situação de pobreza "tornaram-se tão desesperadas que eles tiveram de mover para a floresta. "Uma mulher na cidade tenda da floresta fora de Nova York tinha vivido lá por dois anos. Ela disse: "Eu passei por um divórcio. E foi um divórcio mal. E acabei aqui, sem-teto aqui. "[36]

Rob, de 21 anos, que foi despedido quando a "Grande Recessão" começou, é o homem mais jovem sem-abrigo que vivem na cidade de tendas na floresta. Ele disse que a pior parte é a vergonha, "A vergonha de sair daqui, os carros de vê-lo passar por aqui e eles sabem quem você é. A vergonha de andar na cidade e ter as pessoas olhando de forma discriminada apenas para a forma como você é forçado a viver. "[37]

Enquanto muitos milhões mais estão sendo mergulhados na pobreza, as disparidades internas de raça, gênero e idade persistem. Em novembro de 2009, foi relatado que a taxa de desemprego para homens negros de 16 à 24 anos de idade atingiu proporções da Grande Depressão, 34,5% dos jovens negros estavam desempregados em outubro de 2009, "mais de três vezes a taxa para a população geral americana (que é de 9,7 atualmente)". Adicionais:

A taxa de desemprego para os jovens homens e mulheres negras é 30,5 por cento. Para os jovens negros - que os peritos dizem que é mais provável que crescem nos bairros pobres isolados raciais, empecilho para participar de escolas públicas e sofrem discriminação - racial estatisticamente parece ser um fator de maior desemprego do que em sua idade, escolaridade ou renda mesmo. Adolescentes brancos de baixa renda foram mais propensos a encontrar trabalho do que a renda superior adolescentes negros, de acordo com o Center for Labor Market Studies da Northeastern University, e mesmo os negros que se formam na faculdade sofrem de desemprego duas vezes mais na taxa de seus colegas brancos. [ 38]

Outra estatística alarmante do relatório era que, "jovens mulheres negras têm uma taxa de desemprego de 26,5 por cento, enquanto a taxa para todas as mulheres de 16 a 24 anos de idade é 15,4 por cento." O fato de que estas são as estatísticas para os jovens pessoas é especialmente relativas, e as conseqüências podem ser de "longa duração":

Esta pode ser a primeira geração que não se enquadra com o padrão de vida dos pais. Jovens desempregados estão mais propensos a ser desempregados com vinte e poucos anos. Uma vez forçado para essa margem, eles provavelmente não vao pegar financeiramente por muitos anos. Esse é o caso, mesmo para os jovens de todos os grupos étnicos que se formam na faculdade [39].

Com a pobreza, a escassez de alimentos aumenta. Enquanto muitos norte-americanos e pessoas de todo o mundo sentiram os efeitos da recessão sobre as suas refeições diárias, a disparidade racial persiste neste aspecto também, como "um em cada quatro famílias afro-americanas lutam para colocar comida na mesa em uma base regular , em comparação com cerca de um em cada sete famílias a nível nacional. "Além disso," 90 por cento das crianças norte-americanas africano receberão benefícios do vale-refeição no momento em que completar 20 anos. "[40]

Em março de 2010, um relatório verdadeiramente surpreendente foi lançado por um grupo de pesquisa econômica principal, que concluiu que, "Mulheres de todas as raças trazem renda para casa própria e menos activos, em média, do que os homens da mesma raça, mas só as mulheres negras as disparidades são tão esmagadoramente grande que, mesmo no auge dos anos de trabalho de sua riqueza mediana eleva-se a apenas US$ 5. "Vamos rever de novo:

Enquanto as únicas mulheres brancas no auge de seus anos de trabalho (idades entre 36 e 49) têm uma riqueza mediana de US$ 42,600 (apenas 61 por cento dos homólogos brancos do sexo masculino), a riqueza média para uma única mulher negra é de apenas $ 5. [41]

A organização de pesquisa analisou os dados da pesquisa do Federal Reserve de 2007 da Consumer Finances. Riqueza, ou patrimônio líquido, no relatório, é definido como:

Um total de ativos - dinheiro no banco, ações, títulos e imóveis; dívidas menos hipotecas - para casa, auto empréstimos, cartões de crédito e empréstimos estudantis. Os dados financeiros mais recentes foram coletados antes da crise econômica, assim que os números atuais são provavelmente piores agora do que no momento do estudo [42].

O estudo revelou ainda que, "Para todas as mulheres negras que trabalham a idade 18-64, o quadro financeiro é desolador. Sua riqueza familiar média é de apenas US$ 100. Mulheres latino-americanas nessa faixa etária têm uma riqueza média de US$ 120. "As mulheres negras têm maior probabilidade de ser atingido com a responsabilidade de trabalhar e criar os filhos por conta própria:

Em um estudo de 2008, as mulheres negras e seu dinheiro, a Fundação ING concluiu que as mulheres negras - que freqüentemente geram os ativos de suas famílias - apoio financeiro amigos, familiares e suas casas de culto a um grau muito maior do que a população em geral.

Elas também são mais propensos a serem empregadas em indústrias e postos de trabalho - como as ocupações de serviços - com salários mais baixos e menos acesso a seguros de saúde. E quando seus dias de trabalho são feitos, eles dependem mais fortemente para a Segurança Social, porque eles são menos propensos a ter economias pessoais, contas de aposentadoria ou de pensão da empresa. Seus benefícios da Previdência Social são susceptíveis de ser menor, também, por causa de seu baixo salário [43].

Os jovens pobres da América também são desproporcionalmente sujeitos a exacerbações raciais da sua situação social. Nos Estados Unidos, "mais da metade de todos os desistentes adultos jovens estão desempregados. Desistentes estão em maior risco de serem presos e terem mais pobre saúde física e mental do que aqueles que se formam. "Novamente, a disparidade racial emerge, como os pobres e os jovens das minorias são muito menos propensos a se formar no ensino médio que as crianças brancas. "

Em outubro de 2009 relatório divulgado pelo Centro Nacional de Estatísticas da Educação diz que 59,8 por cento de negros, 62,2 por cento dos hispânicos, e 61,2 por cento dos índios norte-americanos concluíram o ensino superior público em quatro anos com um diploma regular no ano letivo de 2006-2007 em comparação com 79,8 por cento para brancos e 91,2 por cento para a Ásia e Ilhas do Pacífico. As taxas de abandono latino-americanas eram mais que o dobro dos jovens brancos [44].

Muitos jovens de risco, em seguida, partem para a criminalidade para sobreviver. É aqui que outra divisão racial eleva sua cabeça em um claro exemplo de como a Justiça não é cega, mas enxerga em technicolor. A taxa de encarceramento, ou seja, a taxa de prisão dos americanos é um código de cores. Os homens negros são presos "a uma taxa que é mais de 6 vezes maior que a de homens brancos." Enquanto os americanos negros formam 13% da população americana, eles compõem 40% da população carcerária dos EUA. Enquanto isso, os brancos constituem 66% da população americana, mas apenas 34% da população carcerária. Hispânicos representam 15% da população americana, e representam 20% da população carcerária [45].

Os jovens pobres estão sujeitos a mais insultos, como a investigação de novos medicamentos financiados pelo governo federal revelou uma disparidade chocante e desoladora: as crianças pobres, que dependem de Medicaid, um programa de saúde do governo para famílias de baixa renda, são dadas poderosos medicamentos antipsicóticos, a uma taxa quatro vezes maior do que crianças cujos pais têm seguro privado. "Além disso, essas crianças, as crianças pobres, são mais propensas a receber medicamentos em condições menos severas do que suas contrapartes de classe média. "Uma equipe de pesquisadores da Rutgers e Columbia colocou a questão:

Fazer muitos filhos de famílias pobres receberem remédios psiquiátricos fortes não porque realmente precisem deles - mas porque é considerada a forma mais eficiente e de custo eficaz para controlar os problemas que podem ser tratadas de forma muito diferente para as crianças de classe média? [46]

Os efeitos não são apenas psicológicos, como "Os medicamentos antipsicóticos também podem ter graves efeitos colaterais físicos, fazendo com que o ganho de peso drástico e alterações metabólicas, resultando em problemas físicos ao longo da vida." Ultimamente, o que a pesquisa concluiu foi que, "as crianças com diagnóstico de doença mental ou problemas emocionais nas famílias de baixa renda têm mais probabilidade de ser tratados com medicamentos que recebem aconselhamento ou psicoterapia familiar. "[47]

Um estudo publicado no Canadian Journal of Psychiatry revelou que, "Crianças e jovens em certas medicações antipsicóticas são mais propensas a ter diabetes e tornarem-se obesos", e que "o medicamento tem significativos e preocupantes efeitos colaterais." [48] Na América, a prescrição de medicamentos anti-psicóticos para crianças aumentou cinco vezes entre 1995 e 2002 para cerca de 2,5 milhões [49].

Assim, temos uma situação em que os pobres são tratados de modo a desumaniza-los por completo, para não privá-los simplesmente das necessidades da vida, mas para usá-los como cobaias e para puni-los por sua pobreza. Hubert Humphrey disse certa vez: "A sociedade é, em última instância julgada pelo modo como trata os seus membros mais fracos e mais vulneráveis." Como a nossa sociedade, assim, será julgada?

Guerra e da pobreza

É para o nosso próprio prejuízo que deixamos de ver a relação entre a guerra ea pobreza, tanto a nível nacional e global. A guerra é o instrumento mais violento e opressivo usado pelos poderosos para controlar as pessoas e os recursos. A indústria de guerra lucra muito em detrimento da maioria, mas simplesmente não empobrece a nação que é atacada, mas empobrece a nação que está atacando.

Em abril de 1967, um ano antes de Martin Luther King, Jr. ser assassinado, ele proferiu um discurso intitulado "Por trás do Vietnam: Um Tempo para quebrar o silêncio." Este é um dos discursos de King menos conhecidos, mas sem dúvida, um dos seus mais importantes. Ao ler o texto do discurso é que não há justiça para as palavras da boca do rei em sua forma magnânima, que valem a pena ler a mesma coisa. Dr. King declarou que "A hora chega quando o silêncio é uma traição. Esse tempo chegou para nós em relação ao Vietnam". Suas palavras são tão importantes hoje como no dia em que foram ditas, e valem a pena citar longamente:

Mesmo quando pressionado pelas exigências da verdade interior, os homens assumem facilmente a tarefa de oposição à política de seu governo, especialmente em tempo de guerra. Nem o espírito humano se move sem grande dificuldade contra toda a apatia do pensamento conformista dentro de seu próprio seio e no mundo circundante. [...]

Nos últimos dois anos, já que me mudei para quebrar a traição do meu próprio silêncio e falar a partir da queima do meu coração, como eu tenho chamado para as partidas radical da destruição do Vietnam, muitas pessoas me questionaram sobre a sabedoria do meu caminho. No centro das suas preocupações dessa consulta, muitas vezes se tornavam maiores e em voz alta: Por que você está falando sobre a guerra, ô Dr. King? Por que você está juntando as vozes de dissidência? A paz e os direitos civis não se misturam, eles dizem. Você não está prejudicando a causa do seu povo, eles perguntam? E quando eu ouvi-los, embora muitas vezes eu compreenda a origem de sua preocupação, no entanto, estou muito triste, pois tais questões significam que os inquiridores não tenham realmente conhecido, meu compromisso e minha vocação. Na verdade, suas perguntas sugerem que eles não sabem sobre o mundo que vivem.

[...] Eu sabia que a América nunca iria investir os fundos necessários ou energias na reabilitação dos seus pobres, enquanto as aventuras como o Vietnam continuou a chamar os homens e as habilidades e dinheiro como um tubo de sucção demoníaca destrutiva. Então, eu estava cada vez mais obrigado a ver a guerra como um inimigo dos pobres e atacá-la como tal.

Talvez o mais trágico reconhecimento da realidade ocorreu quando se tornou claro para mim que a guerra estava fazendo muito mais desoladora a esperança dos pobres em casa. Ele estava enviando os seus filhos e seus irmãos e seus maridos para lutar e morrer em proporções extraordinariamente altas em relação ao resto da população. Estávamos levando os homens negros jovens, que tinham sido mutilados pela nossa sociedade e enviá-los para oito mil milhas de distância de garantir a liberdade no sudeste da Ásia que não tinham encontrado no sudoeste da Geórgia e no East Harlem. Portanto, temos sido repetidamente confrontados com a ironia cruel de ver meninos negros e brancos em telas de televisão, eles matam e morrem juntos por uma nação que tem sido incapaz de colocar eles juntos na mesma escola. Assim, vê-los em solidariedade brutal queimando as cabanas de uma aldeia pobre, mas percebemos que eles jamais viveriam no mesmo quarteirão em Detroit. Eu não poderia ficar calado diante da manipulação tão cruel dos pobres.

Meu terceiro motivo move-se para um nível mais profundo da consciência, pois nasce da minha experiência nos guetos do Norte nos últimos três anos - especialmente os últimos três verões. Como tenho andado entre os desesperados, rejeitado e jovens revoltados, disse para eles que coquetéis molotov e rifles não resolveriam seus problemas. Tentei oferecer-lhes a minha mais profunda compaixão, mantendo a minha convicção de que a mudança social vem mais significativa por meio da ação não-violenta. Mas eles pediram - e com razão - o que sobre o Vietnam? Eles perguntaram se o nosso próprio país não estava usando doses maciças de violência para resolver os seus problemas, para trazer as mudanças que queria. Suas perguntas bateram em casa e eu sabia que eu nunca mais conseguiria levantar a voz contra a violência dos oprimidos nos guetos sem antes ter falado claramente para o maior fornecedor de violência no mundo de hoje - o meu próprio governo. Por causa desses meninos, por causa deste governo, por causa das centenas de milhares de tremores, sob a nossa violência, não posso ficar em silêncio.

[...] Em 1957 um funcionário sensível americano no exterior, disse que lhe parecia que a nossa nação estava do lado errado de uma revolução mundial. Durante os últimos dez anos, vimos emergir um padrão de repressão, que agora tem justificado a presença de militares dos EUA com seus "assessores" na Venezuela. Esta necessidade de manter a estabilidade social para as nossas contas de investimentos para a ação contra-revolucionária de forças americanas na Guatemala. Por isso que helicópteros norte-americanos estão sendo usados contra a guerrilha na Colômbia e por napalm's, e as forças de boinas verdes já foram ativadas contra os rebeldes no Peru. É com essa atividade em mente que as palavras do falecido John F. Kennedy volta a nos assombrar. Cinco anos atrás, ele disse: "Aqueles que fazem a revolução pacífica impossível vao fazer a revolução violenta inevitável".

Cada vez mais, por opção ou por acidente, este é o papel da nossa nação tomou - o papel daqueles que fazem a revolução pacífica impossível por se recusar a abrir mão dos privilégios e dos prazeres que vêm dos imensos lucros dos investimentos no exterior.

Estou convencido de que, se quisermos passar para o lado direito da revolução mundial, nós, como uma nação devemos passar por uma radical revolução de valores. Temos de começar rapidamente a mudança de uma "orientação-padrão da sociedade" para uma "pessoa orientada para a sociedade". Quando as máquinas e computadores, lucro e os direitos de propriedade são considerados mais importantes do que as pessoas, o tripé gigante do racismo, do materialismo e militarismo são incapazes de serem erradicados.

[...] Uma nação que continua, ano após ano, a gastar mais dinheiro em defesa militar que em programas de melhoria social está se aproximando de sua morte espiritual.

[...] A escolha é nossa, e embora possamos preferir o contrário, devemos escolher neste momento crucial da história humana [50].


Depois de entregar tal discurso monumental contra a guerra e o império, King foi atacado pela mídia nacional, com a Life Magazine chamando o discurso de "calúnia demagógica que mais parecia um script para a Rádio Hanói", e o Washington Post dizendo que "o Rei tem diminuído sua utilidade para a sua causa, o seu país, seu povo. "[51]

A guerra é resultado do empobrecimento das pessoas ao redor do mundo e em casa. Inerente ao sistema da guerra racial, divisão e exploração são ainda mais exacerbados.

No meio da crise econômica, o recrutamento militar subiu, como o recém-desempregados buscam segurança no emprego e educação. Um funcionário do Pentágono disse, em outubro de 2008, que, "Nós fazemos o benefício quando as coisas parecem menos positivas na sociedade civil", como "homens e 185.000 mulheres inscritas do ativo-dever do serviço militar, o maior número desde 2003, segundo estatísticas do Pentágono. Outros 140.000 se inscreveram para o serviço na Guarda Nacional e da reserva. "[52]

Em novembro de 2008, o Ministério da Defesa britânico (MoD) informou que o recrutamento para as forças armadas tinham aumentado em mais de 14% como resultado da crise econômica. Curiosamente, "O norte da Inglaterra, onde a trituração de crédito bateu forte, está entre as áreas onde o ministério diz que o recrutamento está mais forte." [53]

Em 2005, foi relatado que o Pentágono havia desenvolvido um banco de dados de adolescentes de 16-18 e todos os estudantes universitários "para ajudar a identificar potenciais recrutas militares em um momento de encolhimento do alistamento." Além disso, segundo o Washington Post, "O novo banco de dados irá incluir informações pessoais, incluindo datas de nascimento, números de Social Security, e-mail, as médias escolares, etnia e os temas que os alunos estão estudando. "[54]

A American Civil Liberties Union (ACLU) divulgou um relatório em 2008, que revelou que há uma tendência perigosa no recrutamento de jovens nos Estados Unidos. Recrutamento de jovens de 16 e menores é proibida nos Estados Unidos, no entanto:

O Serviço Militar dos EUA regularmente escolhem crianças menores de 17 anos para o recrutamento militar. Os militares fortemente recrutados nos campi do ensino médio, tendo como alvo os estudantes de recrutamento tão cedo quanto possível e, em geral, sem limites de idade os alunos entram em contato. Apesar de uma ação questionando a sua identificação de décimo primeiro grau os alunos do ensino médio para o recrutamento, o Departamento de Defesa de recrutamento do banco de dados central continua a recolher informação sobre 16 anos de idade para efeitos de recrutamento [55].

Vários programas do Exército e os serviços de recrutamento escolhem os estudantes como jovens de 11, que inclui um jogo de vídeo utilizado como uma ferramenta de recrutamento do Exército "explicitamente comercializados para crianças a partir de 13." Além disso, "As políticas militares americanas de recrutamento, práticas e estratégias explicitamente alvejando alunos menores de 17 anos para o recrutamento de atividades no campus da High School. "[56]

Em 2007, antes da crise econômica, foi relatado que, "quase três quartos dos mortos no Iraque vieram de cidades onde a renda per capita era inferior à média nacional." Além disso, "Mais da metade veio de municípios onde o percentual de pessoas que vivem em situação de pobreza superou a média nacional. "A guerra baixas afetaram desproporcionalmente cidades rurais americanas que compõem a maioria dos recrutas militares. Curiosamente, entre 1997 a 2003, "1,5 milhões de trabalhadores rurais perderam seus empregos devido a mudanças em setores como manufatura, que tradicionalmente empregam trabalhadores rurais." [57] Agora, eles compõem a maioria dos feridos de guerra. A guerra e a pobreza são intrinsecamente relacionados com este exemplo: os pobres são os que mais sofrem na guerra.

Em 2007, foi ainda informado que mais de 30.000 soldados estrangeiros estão alistados no Exército Americano, sendo recrutados para participar de nações estrangeiras, como o México, em troca de ser concedida a cidadania americana. [58] Em 2005, os brancos representam 80% do recrutas do Exército, enquanto os negros compunham de 15% dos recrutas. Em 2008, os brancos formavam 79%, enquanto os negros compunham 16,5% dos recrutas do Exército. No entanto, um dado estatístico interessante é que entre 2007 e 2008, houve um aumento de 5% no recrutamento dos brancos, enquanto no mesmo período houve um aumento de quase 96% na contratação de negros. Em 2008, 52% dos recrutas estavam sob a idade de 21 anos. Pelo quinto ano consecutivo, a partir de 2008, a juventude "de baixo para os bairros de renda média estão sobre-representadas entre os novos recrutas do Exército." [59]

Em março de 2008, The Nation publicou um artigo intitulado "A Guerra e a classe trabalhadora", no qual explicou que as forças armadas americanas operam sob um projeto de "economia", como "membros das forças armadas vêem principalmente de forma desproporcionada do trabalho classe e de cidade pequena e rurais, onde as oportunidades são difíceis de encontrar. "[60] Isso foi antes mesmo da crise econômica ter começado a ser notada nos Estados Unidos.

Em janeiro de 2009, foi comunicado que, "O Exército e cada um dos outros ramos das Forças Armadas estão cumprindo ou superando suas metas para inscrever recrutas e atrair mais pessoas qualificadas." [61] Em março de 2009, foi relatado que, os recrutas "rápidos" continuam a despejar para o serviço militar americano, as preocupações com que servem no Iraque e no Afeganistão são eclipsados pelo mercado de trabalho civil terrível." Todos os ramos das forças armadas "alcançam ou ultrapassam suas metas de recrutamento em serviço ativo para janeiro, dando continuidade a uma tendência que começou com um declínio no mercado de trabalho dos EUA ".

Os militares admitiram que a fraqueza da economia americana, que perdeu 2,6 milhões de empregos em 2008 e outros 598.000 em janeiro, fez com que o serviço militar se tornasse mais atraente para potenciais recrutas [62].

Foi relatado em outubro de 2009, que devido à crise económica, "os jovens de classe média americana estão entrando no serviço militar em números significativos", como o Departamento de Defesa anunciando que "pela primeira vez desde que o projeto acabou e todos os voluntários começou 36 anos atrás, todos os ramos de serviços e componentes de reserva alcançaram ou ultrapassaram suas metas de recrutamento, tanto em números como em qualidade. "Como a crise econômica resultou em maior e mais rápido aumento do desemprego global que já experimentei", isso criou um "boom" de recrutamento militar [63].

Em dezembro de 2009, foi relatado que, com um número recorde de universitários graduados incapazes de encontrar trabalho, o recrutamento aumentou para níveis recordes, mesmo no meio do presidente Obama anunciando o envio de mais 30.000 soldados para o Afeganistão. Como disse um comentarista:

Os Estados Unidos estão quebrados - os sistemas escolares estão se deteriorando, a economia está em ruínas, sem-abrigo e as taxas de pobreza estão em expansão - ainda estamos construindo uma nação no Afeganistão, o envio de jovens economicamente angustiados para lá, dezenas de milhares de pessoas a um custo anual de um milhão de dólares cada um [64].

Em janeiro de 2010, foi comunicado pelos militares que muitos marines chegando ao fim de sua ativa estão reconsiderando re-alistar devido à grave situação econômica. Segundo o Departamento do Trabalho Americano em novembro de 2009, havia 15,4 milhões de desempregados nos Estados Unidos, com a taxa de desemprego atingindo 10%. "O emprego caiu em construção civil, indústrias transformadoras e da informação, enquanto os empregos nos serviços de ajuda temporária e serviços de saúde aumentou." Assim, os números do desemprego são um pouco enganadores, pois não leva em conta todas as pessoas que só dependem de tempo parcial postos de trabalho, como "As pessoas trabalhando em empregos a tempo parcial por razões econômicas numeradas 9,2 milhões. Estas pessoas trabalharam a tempo parcial, porque as suas horas de trabalho em outro tinham sido cortadas, ou eram incapazes de encontrar trabalho em tempo integral. "Portanto,"Marines se realistando por numerosas razões econômicas. "[65]

Em 2007, Obama fez campanha com a promessa de aumentar os gastos de defesa, e que ele queria que as forças americanas "sigam na ofensiva, de Djibouti a Kandahar", da África ao Afeganistão. Obama proclamou a sua crença de que "a capacidade de colocar as botas no terreno será determinante para a eliminação das redes terroristas que enfrentamos agora", e ele disse que "nenhum presidente deve hesitar em usar a força - unilateralmente, se necessário, não" simplesmente para "nos proteger", mas também para proteger "os interesses vitais dos Estados Unidos." [66]

Nao sendo bastante, Obama seguiu por estas promessas. Obama o aumento dos gastos de defesa em relação ao ano anterior. Sozinhos, os Estados Unidos gastam quase tanto quanto em suas forças armadas como o resto do mundo combinados, incluindo sete vezes a quantidade como a maior gastador de defesa próximo, a China [67].

Em outubro de 2009, Obama assinou a lei maior de sempre para os gastos militares, totalizando 680 bilhoes de dólares. Ao mesmo tempo, ele autorizou uma lei de gastos de US$ 44 bilhões para o Departamento de Segurança Interna. A triste ironia é que, "Obama assinou o orçamento do Pentágono em tempo inferior a três semanas após ter recebido o Prêmio Nobel da Paz". [68]

Em fevereiro de 2010, Obama pediu ao Congresso para aprovar um novo orçamento da Defesa, de grande ajuste em 708 bilhões de dólares [69]. Curiosamente, "o orçamento do Pentágono aumentou para cada ano da primeira década do século 21, uma corrida sem precedentes, que nem mesmo mesmo aconteceu na época da II Guerra Mundial, muito menos durante a Coreia ou o Vietnam. "Além disso, "se os planos atuais do governo são realizados, não haverá aumentos anuais em gastos militares por pelo menos mais uma década. "[70]

Como escreveu Eric Margolis, em fevereiro de 2010:

O Orçamento Militar total de Obama é quase US$ 1 trilhão. Isso inclui os gastos do Pentágono de $ 880 bilhões. Adicionar programas secretos (cerca de US$ 70 bilhões); ajuda militar a nações estrangeiras, como o Egito, Israel e Paquistão; 225.000 militares "contratados" (mercenários e trabalhadores) e os custos dos veteranos. Adicionar 75 bilhões de dólares (quase quatro vezes o orçamento de defesa total do Canadá) para 16 agências de inteligência com 200.000 empregados.

[...] China e Rússia gastam apenas 10% insignificante do que os EUA gastam na defesa.

Existem 750 bases militares americanas em 50 países e 255.000 membros do serviço estacionadas no estrangeiro, 116.000 na Europa, cerca de 100.000 no Japão e Coréia.

Os gastos militares engole 19% dos gastos federais e pelo menos 44% das receitas fiscais. Durante a administração Bush, no Iraque e no Afeganistão - financiado por um empréstimo - o custo de cada família americana subiu mais de US$ 25.000.

Como Bush, Obama está pagando para guerras dos EUA através de autorizações suplementares - colocá-los no país de cartão de crédito já vencidos. As gerações futuras vão ser presas com o projeto de lei [71].

Assim, o império americano está em declínio, passando-se em dívida total e está no ponto de "colapso imperial." Conforme Eric Margolis escreveu: "Se Obama fosse realmente sério sobre a restauração da saúde econômica dos Estados Unidos, ele exigiria gastos militares sendo reduzidos, acabar rapidamente com a guerras do Iraque e do Afeganistão e acabar com 'Frankenbanks' gigante da nação. "[72]

Assim, enquanto as pessoas em casa estão no vale-refeição, assistência social, que vivem em acampamentos, indo para cozinhas de sopa, começar pela da dívida, e perdendo os seus empregos, a América envia forças no exterior, a realização de múltiplas guerras no Iraque e no Afeganistão, ampliando a guerra no Paquistão, o financiamento das operações militares no Iêmen, Somália, Uganda, a construção maciça de novas bases militares no Paquistão e Colômbia, e fornecer ajuda militar a governos ao redor do mundo. Enquanto o império se expande, as pessoas se tornam mais pobres.

Não podemos ignorar a relação entre guerra, pobreza e raça. Os pobres são feitos para combater os pobres, ambos são muitas vezes desproporcionalmente as pessoas de cor. No entanto, enriquece na guerra, a classe superior, pelo menos poderosa do que as seitas na indústria, os militares, petróleo e bancário. Em uma economia de guerra, a morte é bom para os negócios, a pobreza é boa para a sociedade e poder é bom para a política. As nações ocidentais, especialmente os Estados Unidos, gastar centenas de bilhões de dólares por ano para assassinar pessoas inocentes em distantes países pobres, enquanto as pessoas em casa sofrem de pobreza, as desigualdades de classe, de gênero e racial divide. Dizem-nos que nós lutamos para "espalhar a liberdade" e "democracia" ao redor do mundo, ainda, as nossas liberdades e democracia corroer e desaparecem em casa. Você não pode espalhar o que você não tem. Como George Orwell escreveu uma vez:

A guerra não é para ser vencida, que se destina a ser contínuo. A sociedade hierárquica só é possível com base na pobreza e ignorância. Esta nova versão é o passado e nenhum passado diferente pode nunca ter existido. Em princípio, o esforço de guerra é sempre planejado para manter a sociedade à beira da inanição. A guerra é travada pelo grupo dominante contra os seus próprios assuntos e seu objeto não é a vitória sobre a Eurásia ou da Ásia Oriental, mas para manter a própria estrutura da sociedade intacta.

[1] David McNally, Outro Mundo é Possível: Globalização e anti-capitalismo. Arbeiter Ring Publishing, 2006: página 149

[2] Ibid, p. 150

[3] Ibid, páginas 151-152

[4] Ibid, páginas 152-153

[5] Ibid, p. 153

[6] Ibid, páginas 153-154

[7] Ibid, páginas 154-155

[8] Ibid, p. 155

[9] OIT, as mulheres no mercado de trabalho: Medir o progresso e os desafios de identificação. Organização Internacional do Trabalho, Março de 2010: páginas 20-21

[10] Gates Jeff, estatísticas sobre a pobreza ea desigualdade. Global Policy Forum: Maio de 1999: http://www.globalpolicy.org/component/content/article/218/46377.html

[11] Injustiça Social e Econômico, World Centric, 2004: http://worldcentric.org/conscious-living/social-and-economic-injustice

[12]Ibid.

[13]Ibid.

[14], PRB, PRB's 2005 World Population Data Sheet revela a persistência das desigualdades em Saúde Global e Bem-Estar. Population Reference Bureau, 2005: http://www.prb.org/Journalists/PressReleases/2005/MoreThanHalftheWorldLivesonLessThan2aDayAugust2005.aspx

[15] GPF, Press Release: estudo pioneiro Mostra Ricos World Wealth próprio meio. Global Policy Forum: 5 de dezembro de 2006: http://www.globalpolicy.org/component/content/article/218/46555.html

[16] da ONU, Relatório do Desenvolvimento do Milénio 2009. Nações Unidas, Nova Iorque, 2009: Página 4

[17]Ibid.

[18] Cimeira do G20: resgate bancário seria acabar com a pobreza global, diz Oxfam. O Telegraph: 1 de abril de 2009: http://www.telegraph.co.uk/finance/financetopics/g20-summit/5087404/G20-Summit-Bank-bailout-would-end-global-poverty-says-Oxfam. html

[19] Comunicado de Imprensa, a cada minuto 100 pessoas empurradas para a pobreza pela crise econômica. Oxfam Internacional: 24 de setembro de 2009: http://www.oxfam.org/en/pressroom/pressrelease/2009-09-24/100-people-every-minute-pushed-poverty-economic-crisis

[20] Comunicado de Imprensa, a crise financeira para aprofundar a pobreza extrema, aumentar as taxas de mortalidade infantil - relatório da ONU. UN News Center: 3 de março de 2009: http://www.un.org/apps/news/story.asp?NewsID=30070

[21] Raymond Josie, último golo do MLK: erradicar a pobreza. Pobreza na América: 18 de janeiro de 2010: http://uspoverty.change.org/blog/view/mlks_last_goal_eradicating_poverty

[22]Ibid.

[23] Gates Jeff, estatísticas sobre a pobreza ea desigualdade. Global Policy Forum: Maio de 1999: http://www.globalpolicy.org/component/content/article/218/46377.html

[24]Ibid.

[25] David Cay Johnston, I.R.S. Mais prováveis para auditar o pobre e não os ricos. The New York Times: 16 de abril de 2000: http://www.nytimes.com/2000/04/16/business/irs-more-likely-to-audit-the-poor-and-not-the-rich. html? pagewanted = 1

[26] Danny Westneat, US $ 10 por hora, com 2 filhos? IRS ataca. Seattle Times: 6 de dezembro de 2009: http://seattletimes.nwsource.com/html/dannywestneat/2010435946_danny06.html

[27]Ibid.

[28]Ibid.

[29] Rawls Phillip, Estudo: Imposto de Renda sobre Alabama Trabalho duras Pobres. ABC News: 4 de novembro de 2009: http://abcnews.go.com/Business/wireStory?id=8996975

[30] Gebeloff Robert, sobe Use Food Stamp, Stigma e desaparece. The New York Times: 28 de novembro de 2009: http://www.nytimes.com/2009/11/29/us/29foodstamps.html

[31] Ibid.

[32] AP, em tempos difíceis, as cidades tenda subir em todo o país. MSNBC: 18 de setembro de 2008: http://www.msnbc.msn.com/id/26776283/

[33] Oliver Burkeman, cidades tenda E.U. destacar novas realidades como a recessão avança. The Guardian: 26 de março de 2009: http://www.guardian.co.uk/world/2009/mar/26/tent-city-california-recession-economy

[34] Gregor Peter Schmitz e Gabor Steingart, Crise mergulha E.U. classe média para a pobreza. Der Spiegel: 23 de abril de 2009: http://www.spiegel.de/international/world/0, 1518,620754,00. Html

[35]Ibid.

[36] RT, desempregada, os nova-iorquinos encontrar um novo lar na floresta. Russia Today: 24 de fevereiro de 2010: http://rt.com/Top_News/2010-02-24/homeless-woods-new-york.html

[37]Ibid.

[38] V. Dion Haynes, negros duramente atingida por socos economia. The New York Times: 24 de novembro de 2009: http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2009/11/23/AR2009112304092.html?hpid=topnews

[39]Ibid.

[Plotkin Greg 40], um quarto de todos Africano americanos estão famintos. Pobreza na América: 25 de fevereiro de 2010: http://uspoverty.change.org/blog/view/a_quarter_of_all_african_americans_are_hungry

[41] Tempo de Grant, estudo encontra riqueza mediana para mulheres negras solteiras em US $ 5. O Pittsburgh Post-Gazette: 9 de março de 2010: http://www.post-gazette.com/pg/10068/1041225-28.stm

[42]Ibid.

[43]Ibid.

[44] Marian Wright Edelman, crianças saem para vidas de pobreza e da prisão. Pobreza na América: 22 de janeiro de 2010: http://uspoverty.change.org/blog/view/children_drop_out_and_into_lives_of_poverty_and_imprisonment

[45] Bureau of Justice Statistics, recluso na prisão Midyear 2008 - quadros estatísticos, Março de 2009 (revisto 4/8/09): http://allotherpersons.wordpress.com/2009/11/03/factoid-black-male- taxa de encarceramento é-6-vezes-maior-que-taxa-para-branco-masculino /

[Wilson Duff 46], provável crianças pobres para obter antipsicóticos. The New York Times: 11 de dezembro de 2009: http://www.nytimes.com/2009/12/12/health/12medicaid.html

[47]Ibid.

[48] Kelly Sinoski, as crianças em drogas antipsicósicas mais propensas a diabetes: estudo canadense. The Sun Vancouver: 11 de novembro de 2009: http://www.vancouversun.com/health/Children+antipsychotic+drugs+more+prone+diabetes+Canadian+study/2212393/story.html

[49] AP, uso de drogas anti-psicóticas em crianças foguetes. MSNBC: 16 de março de 2006: http://www.msnbc.msn.com/id/11861986/

[50] Rev. Martin Luther King, além do Vietnã: A hora de quebrar o silêncio. Discurso proferido pelo Dr. Martin Luther King, Jr., em 4 de abril de 1967, em uma reunião do Clero e Leigos Preocupados em Riverside Church em Nova York: http://www.hartford-hwp.com/archives/45a/ 058.html

[Cohen 51] e Jeff Norman Solomon, The Martin Luther King Você não vê na TV. FAIR: 4 de janeiro de 1995: http://www.fair.org/index.php?page=2269

[52] David Morgan, a crise financeira poderia ajudar o recrutamento militar. Reuters: 10 de outubro de 2008: http://www.reuters.com/article/idUSTRE4998WU20081010

[53] Simon Johnson, as Forças Armadas têm graças recrutamento surge a crise de crédito. O Telegraph: 30 de novembro de 2008: http://www.telegraph.co.uk/finance/financetopics/financialcrisis/3536738/Armed-forces-enjoy-recruitment-surge-thanks-to-the-credit-crunch.html

[Jonathan Krim 54], criação de banco de dados do Pentágono Student. The Washington Post: 23 de junho de 2005: http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2005/06/22/AR2005062202305.html

[ACLU 55], Soldados do infortúnio. American Civil Liberties Union: 13 de maio de 2008: 8 de página: http://www.aclu.org/files/pdfs/humanrights/crc_report_20080513.pdf

[56] Ibid, páginas 8-9.

[57] AP, Rural America tem cicatrizes de guerra no Iraque. MSNBC: 20 de fevereiro de 2007: http://www.msnbc.msn.com/id/17231366/

[58] Cordula Meyer, estrangeiros E.U. Exército seduz com a promessa da cidadania. Der Spiegel: 19 de outubro de 2007: http://www.spiegel.de/international/world/0, 1518,512384,00. Html

[59] NPP, Recrutamento do Exército no ano fiscal de 2008: Um olhar sobre idade, raça, renda, educação e de novos soldados. Projeto de Prioridades Nacionais, 2008: http://www.nationalpriorities.org/militaryrecruiting2008/a_look_at_race_ethnicity_and_income_of_new_soldiers

[Zweig 60] Michael, da guerra e da classe trabalhadora. The Nation: 13 de março de 2008: http://www.thenation.com/doc/20080331/zweig

[61] AP, economia Bad faz para mais recrutas militares. MSNBC: 19 de janeiro de 2009: http://www.msnbc.msn.com/id/28736832/

[62] Aaron Smith, o recrutamento militar surge como empregos desaparecem. CNN Money: 16 de março de 2009: http://money.cnn.com/2009/02/10/news/economy/military_recruiting/index.htm

[63] Philpott Tom, economia fraca Chama recrutas da classe média. Military.com, 22 de outubro de 2009: http://www.military.com/features/0, 15240,204238,00. Html

[64] Nicholas Kimbrell, booms exército E.U. recrutamento como quedas economia. The National: 4 de dezembro de 2009: http://www.thenational.ae/apps/pbcs.dll/article?AID=/20091205/FOREIGN/712049812/1135

[Cpl 65] Lance. Antwain J. Graham, economia E.U. faz Marines considerar opções re-alistamento mais a sério. Marines no Japão: 15 de janeiro de 2010: http://www.okinawa.usmc.mil/Public 20Affairs%%%% 20Info/Archive 20News 20Pages/2010/100115-reenlist.html

[66] Robert Kagan, Obama o intervencionista. The Washington Post: 29 de abril de 2007: http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2007/04/27/AR2007042702027.html

[67] Glen Greenwald, o corte da defesa "falsidade" de Washington Post e Robert Kagan. Salon: 3 de fevereiro de 2009: http://www.salon.com/news/opinion/glenn_greenwald/2009/02/03/kagan

[68] Patrick Martin, contas Obama assina para o registro do Pentágono, Homeland Security gastos. World Socialist Web Site: 30 de outubro de 2009: http://www.wsws.org/articles/2009/oct2009/dfns-o30.shtml

[69] Andrea Shalal-Esa, UPDATE 1-Obama procura $ 708 bilhões recorde em 2011 orçamento de defesa. Reuters: 1 de fevereiro de 2010: http://www.reuters.com/article/idUSN0120383520100201?type=marketsNews

[70] William D. Hartung, Obama e do Orçamento de guerra permanente. Foreign Policy in Focus: 22 de dezembro de 2009: http://www.fpif.org/articles/obama_and_the_permanent_war_budget

[71] Eric Margolis, Wars envio E.U. em ruínas. O Toronto Sun: 5 de fevereiro de 2010: http://www.torontosun.com/comment/columnists/eric_margolis/2010/02/05/12758511-qmi.html

[72]Ibid.

Fonte: Global Research - War, Racism and the Empire of Poverty When Empire Hits Home, Part 1

quinta-feira, 18 de março de 2010

Grécia: isto é só o começo!

Créditos de: Resistir.info
por Christakis Georgiou

As medidas de austeridade impostas aos trabalhadores gregos para reduzir os défices não são senão um prelúdio do que poderia acontecer em outros países europeus. A crise grega demonstra os desacordos da classe dirigente sobre as estratégias a adoptar.

http://resistir.info/grecia/imagens/atenas_05mar10.jpg

Pela segunda vez desde Dezembro de 2008, a Grécia está no centro da situação política na Europa. Desde a chegada ao poder do Pasok, o partido social-democrata grego, e das revelações referentes às aldrabices com os números do défice orçamental (o governo de direita havia falsificado os números para anunciar um défice menos elevado que o seu nível real, o que lhe permitiu continuar a tomar emprestado a baixas taxas de juro nos mercados), uma espécie de tragédia grega desenrola-se sob os nossos olhos. Os sociais-democratas abandonaram muito rapidamente as suas promessas eleitorais e anunciaram a inevitabilidade das medidas de rigor. A imprensa alemã conduz uma campanha de difamação da população grega. O primeiro-ministro grego, Papandreu, faz o giro das principais capitais da Europa para implorar um salvamento europeu. Na imprensa burguesa, o debate sobre a oportunidade de salvar ou não o Estado grego é tempestuoso. Nos mercados financeiros, a especulação ligada aos défices gregos faz deslizar o euro e inquieta os seus arquitectos. Na própria Grécia, os planos de austeridade seguem-se com uma rapidez impressionante (o do mês de Janeiro não foi suficiente para acalmar os grandes investidores financeiros e foram precisas medidas suplementares, anunciadas em Fevereiro, de âmbito bem mais vasto), as greves multiplicam-se e o medo de um novo Dezembro grego assombra a Europa.

A crise grega é representativa da situação de vários países europeus.

Primeiro, ela reflecte as divisões daqueles que dirigem as nossas sociedades. É o que revela o debate em torno da ajuda que a Europa poderia dar à Grécia. Alguns não querem ouvir falar do mínimo cêntimo de ajuda à Grécia. "A Alemanha não dará um centavo à Grécia", declarou Rainer Brüderle, ministro da Economia e membro do FDP, o partido liberal-democrata alemão, parceiro da CDU de Merkel no governo. Os liberais do FDP e os bávaros da CSU opõem-se ferozmente a um salvamento da Grécia. Ele fazem campanha para que o Estado grego faça o serviço em sua casa e imponha aos trabalhadores a totalidade da factura através de medidas de rigor. Mas face a isso, outros querem a todo preço evitar uma falência do Estado e dentre eles bom número de banqueiros que emprestaram maciçamente à Grécia e ficariam novamente numa situação muito difícil se o país não reembolsasse as suas dívidas. É o que explica a visita a Atenas do patrão do Deutsche Bank no fim de Fevereiro, a fim de negociar com o governo grego um eventual apoio alemão.

Nesta situação, Papandreou tenta jogar todas as suas cartas para fazer pressão sobre o governo alemão. Após a sua visita a Berlim a 5 de Março e a Paris no dia 7, ele encontrou-se segunda-feira com Barack Obama em Washington para evocar a possibilidade de um apoio do FMI. Os dirigentes europeus nem querem ouvir falar. Uma tal solução mostraria a incapacidade da UE em resolver sozinha os seus problemas. E antes de ver o FMI intervir, estão prontos a fazê-lo por si próprios.

O contexto de todas estas escaramuças é saber como se vai distribuir o fardo dos défices gregos. É um braço de ferro entre as classes dirigentes europeias. Mas a sua fonte principal é a incapacidade do governo grego para fazer com que sejam os trabalhadores do seu país a pagar a louça partida da crise.

Pois se Papandreu estivesse em condições de impor o rigor necessário para reduzir rapidamente os défices e acalmar os investidores financeiros, não haveria necessidade de um apoio europeu. É isto que reclamam os "falcões" na Alemanha.

Crise europeia

Para descarregar o folheto clique com o botão direito do rato e faça Save As.... Atrás da Grécia, um conjunto de outros países aguardam a sua vez. Os défices gregos não são muito mais elevados do que os da Espanha, de Portugal, da Irlanda, da Itália ou ainda da Grã-Bretanha. À parte este últimos, os outros fazem parte do euro. Se a Grécia receber apoio, isto seria um sinal de que os grandes países europeus – nomeadamente a Alemanha, principal potência económica europeia – fariam a mesma coisa para os outros. Isto enfraqueceria a pressão que se exerce sobre eles para imporem medidas de austeridade.

De certa forma, portanto, a luta actual dos trabalhadores gregos tem um âmbito europeu. Quanto mais eles conseguirem resistir às medidas de austeridade, mais isto criará condições mais favoráveis aos trabalhadores dos outros países europeus para lutarem contra os planos de austeridade que dentro em breve cairão sobre eles.

E da mesma forma, já em vários países os trabalhadores do sector público passam à acção. Dias 8 e 9 de Março, os funcionários britânicos fizeram greve contra a redução dos seus bónus de despedimento. Em Portugal, em trabalhadores do sector público fizeram greve quinta-feira 5 de Março contra o congelamento dos seus salários, medida tomada para reduzir os défices portugueses. Na Espanha, a terça-feira 2 de Março foi uma jornada contra a elevação da idade de reforma de 65 para 67 anos. Em França, o dia 23 de Março será uma jornada inter-profissional.

A crise grega tornar-se-á certamente uma crise europeia quando os outros governos adoptarem medidas semelhantes. A resistência dos trabalhadores gregos deverá seguir o mesmo caminho.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Pronunciamento: Relatório Governo Mundial

Créditos de: Canal TheMorpheusBrasil

Faça pausas se preciso, para ler as notícias que o Alex Jones coloca para RESPALDAR seu pronunciamento, este jornalista analista praticamente TODAS as notícias, relatórios e anúncios que a Elite faz e nos passa um resumo muito rico.

Enquanto milhões e milhões de pessoas e crianças estão morrendo na catástrofe maltusiana (redução populacional emergencial através da fome), comunidades inteiras estão aprisionadas no transe hipnótico da caixa-de-luz-piscante, e no Brasil o poder dessa maldita BOCA DA ELITE é completo, não havendo praticamente NENHUMA notícia de nada, os noticiários são 100% relatórios do andamento da agenda sob a forma de reportagens e notícias.

Eles repassam de uma "célula" para todas as outras o andamento de sua Agenda e de suas Operações Secretas, e também fazem denúncias de fatos que vão contra a agenda deles (por ex., uma "reportagem" que fizeram estes dias relatando que as pessoas estão comprando a "ração humana", um conjunto de nutrientes naturais formidáveis para manter a saúde das pessoas, absolutamente CONTRA o Codex Alimentarius - que já está em vigor modificando o mercado de alimentos).

E eles relatam pelas TVs, a partir das células locais, disfarçados de "reportagens", os acontecimentos que vão contra a Agenda e a Programação deles, para que tudo seja anotado lá no quartel-general, bem como os resultados das suas operações secretas, como o Weather Warfare aqui no Brasil e américa do sul (usando o clima como arma, criando chuvas torrenciais, para causar inundações e principalmente, DESTRUIR A AGRICULTURA - Chemtrails criando uma atmosfera completamente química + HAARP para iniciar as tempestades violentas).

Quando digo "células" consigo expressar exatamente a verdade, pois me refiro às sociedades secretas, cujo funcionamento é EXATAMENTE como ELES PRÓPRIOS explicam sobre as "células terroristas", mas o que o povo escravo não sabe é que estão falando deles próprios!

Bohemian Grove - Maçonaria freemason - Skull & Bones - Clube de Roma - Grupo Bilderberg - Illuminati - Vaticano - Família Real - Rothschilds e Rockefellers, e mais.


Administração Obama envia ordens ao Banco Mundial para manter a situação de pobreza do terceiro mundo

Paul Joseph Watson
Prison Planet.com
Terça-feira, 26 de Janeiro de 2010

Tradução: Revelatti

Obama Administration Orders World Bank To Keep Third World In Poverty 260110top

Sob a justificativa comprovadamente fraudulenta e completamente corrompida do combate ao aquecimento global, a administração de Obama ordenou o Banco Mundial para manter "em desenvolvimento" dos países subdesenvolvidos, bloqueando-os de construção para exploração de carvão, usinas de energia, garantindo que os países mais pobres continuem na pobreza como resultado de demandas de energia não sejam atingidos.

Mesmo em meio a revelações explosivas das Nações Unidas, emissão de relatórios do IPCC sobre as geleiras do Himalaia e da floresta amazônica repleta de dados incorretos, o governo tem "intensificado a pressão sobre o Banco Mundial não para financiar o carvão, usinas de energia nos países em desenvolvimento", relata o Times of India.

A ordem foi feito por Diretor Executivo Americano do Banco Mundial Whitney Debevoise, que representa os Estados Unidos, ao considerar todos os empréstimos, investimentos, estratégias de assistência aos países, os orçamentos, auditorias e planos de negócios das entidades do Grupo Banco Mundial.

Ao evitar as nações pobres de se tornar auto-suficientes, bloqueando-as de produzir sua própria energia, a administração de Obama quer garantir que milhões mais morrerão de fome e falta de acesso a hospitais e tratamentos médicos.

Não só estrangulando o fornecimento de energia aos países mais pobres impedindo-os na distribuição de alimentos adequados e levando mais fome, mas os hospitais e postos de saúde no terceiro mundo são mal capazes de funcionar como um resultado do Banco Mundial e outros organismos mundiais, ordenando-lhes em serem dependentes de fontes de energia renováveis, que são totalmente insuficientes.

Um exemplo apareceu no documentário A Grande Farsa do Aquecimento Global, que destacou como um posto de saúde do Quênia não poderia operar um frigorífico médico, bem como as luzes ao mesmo tempo, porque a facilidade era restrita a apenas dois painéis solares.

"Há alguém interessado em matar o sonho Africano. E o sonho Africano está se desenvolvendo ", disse o escritor e economista James Shikwati. "Eu não vejo como um painel solar vai ajudar uma indústria siderúrgica ... Estamos dizendo para 'Não tocar nos seus recursos. Não toque em seu óleo. Não toque em seu carvão. "Isso é suicídio."

Os rótulos desse programa dão a idéia de restringir as pessoas mais pobres do mundo para fontes alternativas de energia como "o aspecto mais moralmente repugnante da campanha do aquecimento global".

Como já anteriormente foi referido, a implementação de políticas decorrentes do fraudulento medo exagerado e tendenciosos estudos sobre o aquecimento global já estão devastando o terceiro mundo, com uma duplicação dos preços dos alimentos provocando fome em massa e morte.

As pessoas pobres em todo o mundo, "estão sendo mortas em grande número pela fome como resultado das (alterações climáticas) políticas", disse o cético Senhor Monckton no Alex Jones Show no mês passado, devido às grandes áreas de terras agrícolas que estão sendo entregues ao crescimento dos biocombustíveis.

"Veja o Haiti, onde vivem na lama, torta com lama real custa 3 centavos cada.... Que é o que estamos vivendo, ou melhor, eles estão morrendo", disse Monckton, relatando quando ele deu uma palestra sobre este assunto, uma senhora na fila da frente estourou em lágrimas e disse: "Acabei de voltar do Haiti - agora por causa da duplicação dos preços dos alimentos no mundo, eles não podem sequer pagar o preço de uma torta de lama e eles estão morrendo de fome em todo lugar".

Como o relatório do National Geographic confirmou, "Com os preços dos alimentos, os mais pobres do Haiti não podem pagar um prato diário de arroz, e alguns devem tomar medidas desesperadas para encherem a barriga, como "comer barro", em parte como conseqüência da "crescente demanda mundial por biocombustíveis".

Em abril de 2008, o presidente do Banco Mundial Robert Zoellick reconheceu que os biocombustíveis são um "contribuinte significativo" para os preços dos produtos alimentares, o que levou a protestos em países como Haiti, Egito, Filipinas, e até Itália.

"Nós estimamos que uma duplicação dos preços dos alimentos nos últimos três anos poderia empurrar 100 milhões de pessoas em países de baixa renda ainda mais na pobreza", afirmou.

Mesmo se queremos aceitar o fato de que a superpopulação será um problema persistente no terceiro mundo, o próprio meio pelo qual os países mais pobres, naturalmente mais baixa suas taxas de natalidade, sendo permitido o desenvolvimento de sua infra-estrutura, está sendo bloqueado pelas instituições globais em suas embargações políticas destinadas a manter o terceiro mundo na miséria e na pobreza.

Esta vai para o coração do que verdadeiramente representa a agenda por trás do movimento do aquecimento global - uma unidade malthusiana para manter os escravos oprimidos e impedir que as pessoas mais desesperadas do planeta de sairem fora da miséria e do desespero.

Fonte: Infowars - Obama Administration Orders World Bank To Keep Third World In Poverty

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

O Codex Alimentarius Chegou - Esteja Preparado

Créditos de: A Tribuna

Codex Alimentarius terá seu início em 31 de Dezembro de 2009, pouco menos de uma semana a contar da data dessa postagem.

Você sabe o que significa?



Deveria saber afinal, sua vida dependerá disso.

Se você não sabe então esta correndo tudo dentro previsto pelas elites globais ou seja, não é para ninguem saber mesmo, até que seja implementado sem tempo hábil de uma contra-reação por parte das pessoas.

Em síntese o Codex Alimentarius significa a ditadura alimentar que resultará em um genocídio global.

Entenda apenas uma coisa antes de continuar lendo:

''Quem controla os alimentos, controla tudo e todos''.

O Codex Alimentarius é um programa conjunto das Nações Unidas, a ONU com a Organização Mundial da Saúde a OMS para a alimentação e a agricultura a nível global. Trata-se de um fórum de normatização e regulação de alimentos processados, semi-processados criado em 1962 cuja as normas teriam a finalidade proteger a saúde da população mundial assegurando práticas seguras na produção e no manuzeio de alimentos a nível regional e internacional.

Como eu disse teriam a finalidade de proteger a população mundial, mas na prática não é exatamente isso que ocorre. O que sabemos por pura pesquisa pois nada disso é exposto na mídia é que o Codex é uma farsa cuja única finalidade é o genocídio global e a arrecadação de trilhões de dólares - isso mesmo, TRILHÕES de dólares - que estariam destinados aos bolsos das já imensas indústrias farmacêuticas, das indústrias químicas e da indústria de alimentos. Esse será o maior roubo e o maior genocídio da história da humanidade.

As normas do Codex tambem abrangem aspectos de higiêne, propriedades nutricionais dos alimentos, código de práticas, propriedades intelectuais ou seja, patentes, normas de aditivos alimentares, pesticidas e produtos de uso veterinário, substâncias contaminantes, rotulagem, contaminação por manipulação genética, métodos de amostragem e análise de riscos.

Olhando assim, dessa forma, o novo código do Codex abrange tudo e sugere um controle absoluto de tudo que é produzido em matéria de alimentos e medicamentos. Entretanto se você se aprofundar mais no assunto verá que a banda não toca da forma com que a propaganda esta vendendo a imagem dessa arma de redução e controle populacional global.

O Codex se implementado será uma poderosa ferramenta de controle populacional global que gerará incalculável lucro para os magnatas da industria farmacêutica e química.
O Codex irá trazer uma drástica diminuição na nossa já precária possibilidade de escolha na alimentação, prevenção e tratamento de doenças, sem falar na possibilidade enormemente ampliada do controle populacional e do aumento desproporcionalmente exagerado na disparidade da distribuição de riquezas.

O que isso significa?

Significa que você não terá opção de escolha para se alimentar, previnir doenças ou tratar alguma doença já adiquirida. Quanto a distribuição de riquezas, os ricos se tornaram trilhonários e os pobres cairam ao nível de miseráveis, viveram em condição sub-humana. Essa será a regra em todo o globo.

O Codex quando implementado será mandatório, ou seja, regras obrigatórias para todos os países membros da ONU e OMS, cerca de 170 países incluindo o Brasil.
São medidas radicais, ditatórias e fascistas.

Alguns aspectos bizzaros e genocidas do Codex.

1- O uso de suplementos alimentares como as vitaminas por exemplo não poderão mais ser utilizados como forma de complementação alimentar ou como um preventivo ou tratamento de doenças.

A industrias farmacêuticas serão as unicas a terem autorização de uso e manuzeio dessas substâncias da forma que melhor convier.

2- Alimentos como alho, gengibre e hortelã por exemplo serão classificados como drogas e somente as indústrias farmacêuticas poderão utilizar e vender. Quaisquer alimentos ou bebidas de afeito terapêutico seram considerado droga e os utilizadores ou comercializadores, fora a indústria farmacêutica, serão considerados contraventores.
Toda a Fitoterapia será abolida e proibida por lei. A Homeopatia será restrita, a terapia Ortomolecular será apenas coisa do passado.

3- Alimentos genéticamente modificados não precisaram ser identificados como tal ou seja, você jamais saberá a origem e a procedência daquilo que esta ingerindo, tanto remédios como alimentos.
A criação de animais genéticamente modificados tambem faz parte dessa mesma pauta. Hormônios, antibióticos e conservantes em alimentos de origem animal estaram liberados sem a possibilidade de qualquer tipo de protesto por parte dos consumidores. Todos que se levantarem, se opuserem e duvidarem da intenção do Estado serão considerados terroristas em potencial e tratados como tal.

4- A utilização de aditivos sintéticos como o aspartame por exemplo, serão liberados para uso indiscriminado sem qualquer tipo de divulgação rotular prévia ou seja, você consumirá uma diversidade incrível de aditivos sintéticos potencialmente perigosos a saúde humana e sequer será informado. Pesquisas avaliativas de confiabilidade e segurança de produtos estarão ternimantemente proibidas.
Pesquise mais sobre o aspartame.

5- O flúor poderá e deverá ser adotado em escala global para o tratamento de água potável. O flúor é uma substância química altamente corrosiva e com um potencial cancerígeno extremo. O flúor mata.
Pesquise mais sobre o flúor.

6- Todos os animais destinados ao consumo humano deverão receber hormônios e antibióticos como medida profilática.
Todo anima destinado ao consumo terá o mesmo dono e passará pelo mesmo processo antes de chegar a sua mesa, no seu prato. Ao invés de estar comento um suculento pedaço de bife, você estará ingerindo um enorme coquitel de produtos químicos sintéticos e extremamente danosos a saúde humana.

7- Todos os alimentos de origem vegetal deverão obrigatóriamente serem erradiados antes de serem liberados para consumo. Nada mais chegará a sua mesa para o consumo como a natureza fez.
Tudo será modificado para causar o maior dano possível a saúde humana afinal, o objetivo não é alimentar, é a despopulação mundial.

8- Os produtos orgânicos estarão terminantemente proibidos e rumo a extinção. Com a água contaminada e as sementes modificadas genéticamente se alastrando pelo mundo, dentro de pouquíssimo tempo não existirá mais produtos naturais, somente modoficados em um laboratório farmacêutico.

Você literalmente se tornará um saco de lixo ambulânte, sua vida será curta e dolorosa.

9- Produtos produzidos após a era Codex poderam conter aditivos químicos nocivos a saúde humana e não precisaram ser indentificados nos rótulos dos mesmos, nem sua quantidade ou seus efeitos colaterias.

10- Para os produtos agrícolas, os pesticidas e herbicidas serão liberados para a utilização indiscriminada. Os níveis de contaminação nos alimentos por esses produtos químicos poderão facilmente ultrapassar os valores máximos considerados o limite utilizados atualmente. Os alimentos além de se originarem de sementes modificadas genéticamente em laboratório, não conterem os nutrientes necessários para a manutenção da saúde humana ainda virão carregados de pesticidas agrícolas mortais. Haverá casos em que aditivos químicos serão obrigatórios na produção e no processamento de certos alimentos.



Em síntese, os objetivos do Codex Alimentarius incluem:

- A globalização das normas de produção e processamento.
- A abolição da agricultura convêncional e de criação orgânica, a introdução de alimentos genéticamente modificados de forma global.
- A remoção da necessidade de rótulos explicativos de qualquer espécie e sobre qualquer que seja o produto.
- Restrição de todos os remédios e tratamentos naturais que serão classificados como drogas.
- A divulgação de tratamentos naturais na era após Codex será considerado crime grave e passível de punição. Somente medicamentos aprovados pelo sistema do Codex poderão ser recomendados e assim mesmo somente por um médico ou seja, se você abrir sua boca para dizer que banana prende o intestino e recomendar a um amigo que mamão resolve o problema, você será considerado um terrorista em potencial.

Se você riu ao ler isso, não ria mais, será bem mais real e sério do que você pode imaginar.

A ditadura alimentar esta sendo planejada a mais de 45 anos. Diversos alertas estão sendo feitos desde então, mas por ignorância talvez, ou falta de informação a humanidade tem dado pouco ou nenhuma importância para o problema. Quando as pessoas se depararem com essa cituação real será tarde demais.

'' Abra seus olhos e fecha sua boca para o Codex Alimentarius.''

Pesquise mais sobre o assunto e se posicione já contra mais esse crime contra a humanidade, contra você.

Não permita que assassinem sua família por um punhado de dólares ou por uma megalomania de controle e poder.

Você quer ter de precisar pedir receita médica para ir a feira?
Quer alguem ditando aquilo que você e sua familia precisam consumir?
Quer ver seus filhos morrendo de doenças perfeitamente evitáveis mas que foram causadas intencionalmente e depois dizerem a você que foram vítimas de um novo vírus que surgiu do nada e ninguem sabe de onde ou por que?

Pare agora de prestar atenção somente no seu umbigo e olhe com mais carinho ao seu redor.

''Em um futuro nada distante, a diferença entre estar vivo ou morto será o conhecimento.''