Mostrando postagens com marcador esqualeno. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador esqualeno. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 13 de abril de 2010

[Carta de um médico] Gripe suína: Admirável Gado Novo

Via: Blog A Nova Ordem Mundial

Post
do site mídia sem máscara, escrito por Carlos Reis, médico. Fonte no final da postagem.

Esqualeno, mercúrio (timerosal), formaldeído e Triton X 110: substâncias tóxicas estão presentes nas vacinas a serem aplicadas na população brasileira. Em todo o mundo, há polêmicas, pesquisas, e processos contra a indústria farmacêutica.No Brasil, nada! A classe médica, o governo e a imprensa simplesmente desconversam e se omitem.

"Dietas, injeções, e injunções se combinarão, desde a mais tenra idade, para produzir o tipo de caráter e o tipo de crença que as autoridades consideram desejáveis, e qualquer crítica séria a esses poderes tornar-se-á psicologicamente impossível. Mesmo se todos forem miseráveis, todos se acreditarão felizes porque os governos assim lhes dizem que são".
Bertrand Russel, O Impacto da Ciência Sobre a Sociedade, pg 50, 1953

A questão da vacinação contra o vírus A H1N1 é controversa no mundo todo. Pelo menos para aqueles que têm o mínimo de informação. Mas aqui no Brasil o assunto não existe, a questão é vazia, o silêncio unânime. Ou quase. São poucas as ovelhas que berram e muitos os lobos que salivam. Salivam duplamente, porquanto continuam à solta, vacinando obsessivamente e faturando alto no mercado internacional e nacional da vaidade e do poder.

Eu dividiria a questão em quatro partes, segundo as informações que disponho. Nesses últimos dias ficou-se se sabendo que uma instância da ONG européia a Council of Europe, a PACE (Parliamentary Assembly Council of Europe), uma espécie de concorrente alternativa à União Européia, esta sob domínio da Nova Ordem Mundial e suas instituições (ONU, União Européia, Council on Foreign Relations (CFR), Club Bilderberg, etc.), está oferecendo uma denúncia articulada contra a Organização Mundial de Saúde. Argumenta essa instituição européia que a OMS agiu e age de forma precipitada a levantar suspeitas na questão da vacinação contra o vírus A H1N1. A PACE congrega 43 países membros e não pode ser desprezada, embora a inegável posição ideológica de seus membros ao defender causas da esquerda européia. Tal ONG, entretanto, é muito mais lúcida e sadia do que suas contrapartes tupiniquins que pretendem as mesmas "transformações sociais" sem contar com meios fascistas de implementá-las ou apelar à desinformação turbinada por uma imprensa inconseqüente. Uma de suas causas é o combate e a denúncia da indústria farmacêutica, seus lucros indecentes e métodos reprováveis.

No caso em questão da vacinação a PACE denuncia o conflito de interesses entre a OMS e o Big Pharma. Quase ninguém sabe no Brasil que a OMS é orientada por um comitê muito seleto, chamado SAGE (sábio, em inglês),Strategic Advisory Group of Experts, que orienta as ações da OMS e é por ela composto por livre e irrecorrível nomeação. Onze dos seus vinte membros, no entanto, são representantes da indústria. A PACE denuncia então o conflito de interesses de seus membros, muitos ligados formalmente a empresas farmacêuticas. Quanto aos lucros, transparece claramente as vantagens de tal associação. A SANOFI-AVENTIS, por exemplo, subiu seu faturamento em 11% em época de pandemia, "no ano record de 2009", e que conforme seus registros amealhou 7,8 bilhões de euros. Segundo Paul Flynn, o deputado socialista da PACE que faz a denúncia, esses membros agem de acordo com os interesses da indústria, influindo assim em decisões importantes como a da classificação de pandemias. Isso explicaria a elevação de categorias de 1 a 6, o caso da H1N1, como aconteceu em junho de 2009. Tal decisão viciada na origem desencadeou uma onda vacinal nos países membros da OMS, por intermédio dos respectivos governos. Até o governo brasileiro poderia alegar que cumpria ordens caso em que ele fosse acionado ou responsabilizado. Mas, make no mistake, é mais fácil um camelo entrar em um buraco de agulha.

Nesta primeira parte está a questão do poder, do conflito de interesses entre a OMS e governos, com a indústria farmacêutica, tornado possível pela alteração de critérios por parte da OMS na decretação de pandemias. É quase consenso no mundo todo entre cientistas não comprometidos pelo Big Pharma e livres de compromissos políticos e econômicos com governos, que essa "pandemia" foi no mínimo exagerada, que a doença em si não necessitava tanto gasto e tanta ansiedade. Assim se manifestou o Dr. Marc Lipsitch da Harvard University emhttp://inform.com/health/swine-flu-outbreak-severe-feared-study-770673a, médico insuspeito porquanto é um dos defensores da vacinação segura. Ele não discute a utilidade e a necessidade da vacinação, desde que conforme com os padrões há muito estabelecidos.

O fato é que gerou-se medo na população mundial, mesmo em países esclarecidos e ainda democráticos, onde existe o dissenso e inexiste a intimidação fascista insuflada por uma imprensa tão dócil quanto "companheira", o caso brasileiro por excelência. Em alguns países, notadamente na Polônia, houve uma reação radical: não há campanha vacinal por iniciativa do próprio governo polaco. Pelo contrário, investiga-se criminalmente algumas indústrias farmacêuticas por práticas irresponsáveis e danosas à saúde pública.

O Brasil é o segundo ponto. Aqui não há debate. Não há grupos organizados. O silêncio de todas as partes envolvidas é total. Quase todos os médicos quando sabem alguma coisa, ou ouviram falar em algo, se evadem do problema, comportando-se como inocentes úteis, fenômeno bem conhecido na ascensão do socialismo no país. A maioria esmagadora ignora por completo tudo e há muito tempo. Assim é também em outras questões onde o vínculo e a unidade de orientações nem nos deixa saber o que é Educação e o que é Saúde, esferas confundidas em torno de um projeto socialista de poder. Estarei sendo antiético nessa declaração? O governo faz o que quer. Não presta contas e ninguém pede para saber. O Congresso é ausente completo. Ninguém sabe nada, quanto custa, quanto se gasta, como se gasta. Concomitantemente a população é aterrorizada pela grande imprensa, parecendo ser acionada por controle remoto do Planalto e adjacências. Neste instante, outono, a mídia já criou o medo para o inverno de 2010. Repete a histeria do ano passado. Pergunto se a ausência de qualquer reação organizada não é sinal patognomônico (sinal claro, específico e inequívoco), de grave alienação social e profissional. A ausência de reação é um claro sinal de paralisante dissonância cognitiva. Por isso não adianta diante dessa anormalidade censurar a voz isolada, a fraca voz da ovelha, seu último méée. Quem faz isso é fascista, ou idiota útil na classificação de Lênin.

O terceiro ponto que quero abordar é o da confusão incompetente da Saúde Pública do Brasil e seus órgãos inflamados, inchados de soberba e dinheiro. Com as mãos livres publicam desmentidos mentirosos contras as fracas vozes; atrapalham-se freqüentemente voltando atrás em ordens de procedimentos, tornando claro assim a pressa gananciosa, a ânsia de parecerem heróis salvadores para um problema que eles mesmos e seus associados internacionais criaram. Regras, bulas e protocolos são violados impiedosamente para o maior risco da população, e quem ousa denunciar a trapalhada é tachado de terrorista e produtor de pânico entre a população. Protegidos pela mídia cúmplice fabricam estatísticas auto-elogiosas, como a do primeiro de abril, em que o IBGE afirmou que a "Saúde melhorou muito desde 2003". Que coincidência, ano de início do governo Lula! Chegaram ao cúmulo cínico de afirmar que o "povo brasileiro agora se interna menos em hospitais porque tem mais consciência", e não porque não há hospitais e leitos suficientes para 185 milhões de brasileiros. Mentiras assim e auto-propagandas como essas não são sem fundamento - elas ocorrem no momento da criação do pânico fazendo o povo acreditar que eles estão corretíssimos, e em especial no caso da campanha vacinal da moda. E tudo isso em um ano eleitoral. Aqui a epígrafe acima é exemplar. Lembrem musicalmente agora o título do artigo: "E, eô, vida de gado, povo marcado. Ê, povo feliz". (Admirável Gado Novo, Zé Ramalho)

Por fim, a questão mais importante. Os tóxicos produtores de doenças terríveis presentes nas vacinas do povo "marcado". Observem o silêncio quanto ao esqualeno do Instituto Butantã, segredo bem guardado traído inadvertidamente pelo Jornal Nacional de 16/03. http://jornalnacional.globo.com/Telejornais/JN/0,,MUL1532456-10406,00-TIRE+SUAS+DUVIDAS+SOBRE+VACINA+DA+GRIPE+HN.html.

O esqualeno é temido nos Estados Unidos, traumatizados com 8 mil mortos na Guerra do Golfo e muitos mais inválidos. O outro tóxico é o mercúrio, que está presente sim na vacina da SANOFI, e ele produz autismo. As provas são incontáveis. Os trabalhos são indesmentíveis. No Brasil? Não, no Brasil não! O Brasil está estéril. Experimentem pedir dinheiro (grant) institucional para pesquisas sobre o esqualeno. O país está mergulhado em um assustador obscurantismo intelectual, cultural, científico e moral. Só existe dinheiro para puxa-sacos alinhados aos governos de patrocinadores interessados. Vejam a relação de pesquisas no exterior sobre o assunto:

1) Both Presidential Candidates
2) Director of the CDC
3) Former head of the NIH and American Red Cross
4) Chair of the U.S. House Science Subcommittee on Investigations
5) Dr. Jon Poling, Pediatric Neurologist
6) HHS Vaccine Safety Working Group
7) CDC Vaccine Safety Research Agenda
8) Medical personnel at HHS Vaccine Injury Compensation Program
9) Members of the Strategic Planning Workgroup of the IAC Committee
10) Clinical Immunization Safety Assessment Network - CISA
11) Autism researchers at Johns Hopkins University Medical School
12) America's health insurance companies
13) Autism Speaks
14) The United Mitochondrial Disease Foundation
15) Dr. Peter Fletcher, former Chief Scientific Officer at the UK Department of Health

Na Inglaterra há processos contra o presidente de uma instituição equivalente ao nosso Conselho Federal de Medicina, David Salisbury, um dos "sábios" mais influentes do big pharma por envolvimento e acobertamento de casos criminosos. Lá os casos de autismo produzidos pelo mercúrio (thimerosal, que o porta-voz tupiniquim ousou negar presente na vacina) das vacinas se arrastam nos tribunais. Cito no original (origem abaixo nas referências):

Thimerosal-containing vaccines are a major causal factor in autism. Thimerosal in vaccines has been, and still is, a major causal factor that underlies most diagnoses of an autism spectrum disorder as well as many other developmental and childhood disorders, In addition, there is evidence that MMR vaccine is a causal factor in some cases where a child is subsequently diagnosed with regressive autism.

A reação do lobby criminoso farmacêutico às denúncias do Council of Europe foram dramáticas. Se perderem as causas os laboratórios terão que pagar indenizações bilionárias às suas vítimas. É para evitar essa possibilidade que a "Ministra" da Saúde Kethleen Sibelius do governo Obama criou um decreto no ano passado proibindo ações judiciais contra as indústrias. Por que seria? A quem aproveitaria? Diante disso, nos EUA organizou-se rapidamente uma defesa contra esse ato fascista o que levou a alguns exageros. O governo brasileiro oportunísticamente se agarrou a esses exageros, desviando o foco da questão. Mas exagero é sustentar uma condição de pandemia, contrária a todos os fatos e números. Mas quem começou o terror? Quem tiver que responder a essa questão terá que levar em conta quem começou primeiro a infundir pânico na população.

Por outro lado, no início de tudo está a implicação que esse vírus foi fabricado nos mesmos laboratórios que fabricam vacinas. E isso ocorre há anos. É exemplar disso a patente da vacina da Baxter com data anterior à existência do vírus A H1N1 (vejam nas notas o arquivo pdf Baxter Vaccine Patent Application).

Voltando ao Brasil, a vacina brasileira contém, além disso, formaldeido e Triton X 100, compostos usados na indústria metal-mecânica, metalúrgica, e que não podem passar por inofensivos estabilizadores ou detergentes surfactantes. Isso nunca é discutido no Brasil. Atemorizada, a universidade brasileira é 100% omissa. Ignorante, a minha classe profissional se aliena dolorosamente. Não sabe e tem raiva de quem sabe. A única energia que tem é para perfilar-se do lado oficial, para garantir-se nos cargos, funções, sinecuras, e atacar quem, mesmo sem a acuidade técnica, ou a titulação que o governo do presidente semi-analfabeto dá tanta importância, mas com o cuidado com o princípio do no harm, esquecido pelo governo brasileiro, busca proteger e informar a população vítima. Por isso é sempre mais fácil caçar bruxas, censurar médicos, intimidar funcionários subalternos na cadeia vertical interminável de incompetência e irresponsabilidade. Querem vacinar-nos? Então nos entreguem vacinas mais seguras.

* O Autor é médico

REFERÊNCIAS PARA LEITURA - (EM INGLÊS)

sobre:

Council of Europe

http://www.coe.int/

Conflito de interesses

http://lavozdigital.xlsemanal.com/web/articulo_complementarios.php?id_edicion=4887&id_articulo=52218&id=24009&p=magazine

http://assembly.coe.int/CommitteeDocs/2010/20100329_MemorandumPandemie_E.pdf

http://www.thepharmaletter.com/file/94adf43b8f4e0eb51d5c6629542f5678/swine-flu-the-next-time-someone-cries-wolf-on-a-pandemic-it-will-not-be-taken-seriously.html

Descrédito da OMS

http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=13856

The WHO Plays with Pandemic Fire

The Continuing Saga of the Flying Pigs Pandemic Flu

by F. William Engdahl

As vacinas são mais mortais do que gripe suína

by Dr. Mae-Wan Ho and Prof. Joe Cummins

http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=14869

Bioterrorism and Biological Warfare Agents

Prof. Garth L. Nicolson
The Institute for Molecular Medicine
Huntington Beach, California 92649

http://www.immed.org/illness/bioterrorism.html

http://www.projectdaylily.com/

http://www2.xlibris.com/bookstore/book_excerpt.asp?bookid=27692

Doenças Autoimunes

http://www.autoimmune.com/GWSGen.html

ESQUALENO

FDA Tests Find Squalene in Anthrax Vaccine

Government Admits Banned Substance Exists in Vaccines, but Maintains It Does No Harm

http://www.dynamicchiropractic.com/mpacms/dc/article.php?id=31995

Autoimmune Technologies news release dated July 15, 2002.

FORMALDEIDO

Formaldeido e o Risco de Câncer National Cancer Institute

www.cancer.gov/cancertopics/factsheet/Risk/formaldehyde

BAXTER

http://www.theoneclickgroup.co.uk/documents/vaccines/Baxter%20Vaccine%20Patent%20Application.pdf

AUTISMO (e doenças do seu espectro) e o MERCÚRIO (timerosal)

http://www.whale.to/vaccines/kirby4.html

Antigo cientista-chefe inglês diz: Vacinas causam autismo. Que mais evidências são necessárias?

Etil-metilmercúrio

http://www.helpyourautisticchildblog.com/autism-news/419-ethyl-mercury-methyl-mercury-and-autism-ties/

http://www.whale.to/vaccines/ethyl_vs_methyl.html

VACINAS DTP E MMR

http://www.mercury-freedrugs.org/,

www.whale.to/vaccines/vax_autism_q.html

http://www.whale.to/vaccines/goldman_h.html

http://www.whale.to/vaccine/pragnell1.html

Journal of Child Neurology, Vol. 22, No. 11, 1308-1311 (2007)

DOI: 10.1177/0883073807307111

Níveis no sangue de mercúrio estão relacionados ao diagnóstico de autismo. Re-análise de importante conjunto de dados

http://jcn.sagepub.com/cgi/content/abstract/22/11/1308

Vaccine autism quotes

(citações de cientistas sobre autismo vacinal)

http://www.whale.to/vaccine/king.html

Realidades chave acerca do autismo, vacinas, compensação de danos das vacinas e pesquisa relacionada ao timerosal no autismo. LINK riquíssimo embora extenso.

Vaccine critics & studies/sites on vaccine autism link

Fonte original:
http://www.midiasemmascara.org/artigos/ciencia/10964-admiravel-gado-novo.html

sábado, 3 de abril de 2010

Bomba: Diário Digital de Portugal: Gripe A(H1N1): OMS e farmacêuticas acusadas de alarmismo

Créditos de: Blog A Nova Ordem Mundial

A Organização Mundial de Saúde (OMS) e os laboratórios farmacêuticos foram hoje alvo de críticas de alarmismo sobre os riscos da gripe A (H1N1) durante uma audiência na Assembléia Parlamentar do Conselho da Europa (APCE).
Os peritos que aconselham a OMS e vários governos, tal como os meios de comunicação, também foram duramente criticados pelos participantes da audiência da APCE, que prepara um documento sobre a gestão da epidemia de gripe A.

"Houve uma manipulação e uma encenação por parte da OMS", acusou a eurodeputada ecologista francesa Michèle Rivais, que disse que a gripe A foi "a crônica de uma pandemia anunciada sob a qual se esconderam interesses econômicos da indústria farmacêutica".

Rivasi lembrou que os laboratórios farmacêuticos impuseram aos governos preços pelas vacinas da gripe A dez vezes superiores aos das vacinas normais, avisando que, se vingar a proposta da OMS de fazer depender o seu financiamento da venda de vacinas, " não haverá só uma pandemia anual, mas umas vinte".

A ministra polaca da Saúde, Ewa Kopacz, sublinhou que os governos "não devem ser reféns dos laboratórios", explicando que a Polónia decidiu recusar encomendas de vacinas contra a pandemia por causa das condições impostas pela indústria, que pareceram "pelo menos duvidosas".

Kopacz referiu que os laboratórios recusaram assumir responsabilidade por quaisquer efeitos nefastos das vacinas.

A ministra da polonia frisou que não só se registaram menos mortes por causa do vírus H1N1 do que por causa da gripe sazonal, como os países que não fizeram campanhas de vacinação não tiveram mortalidade maior.

Assim, pediu à OMS que retire o nível de alerta pandémico 6, em vigor para a gripe A, que provocou 16 mil mortos em todo o mundo, advertindo que, se o alerta se mantiver, a OMS perderá credibilidade e não conseguirá suscitar a reação necessária quando houver uma ameaça real para a saúde mundial.

Fontes relacionadas:
Diario Digital: Gripe A(H1N1): OMS e farmacêuticas acusadas de alarmismo
RTP: OMS e farmacêuticas acusadas de alarmismo em relação a pandemia

domingo, 28 de março de 2010

Provas de que o esqualeno é perigoso para a saúde

Créditos de: Blog A Nova Ordem Mundial

Vejo em vários lugares na imprensa brasileira afirmacões intermináveis de que o esqualeno é seguro, que até temos ele em nosso corpo e alguns indo mais além dizendo que ele realmente realmente faz bem quando injetado.

O esqualeno é um composto químico que ocorre na natureza e até mesmo nosso corpo o produz, isto é realmente verdade. O esqualeno é também vendido em lojas de produtos naturais como óleo de tubarão. Isto é claro, é como a OMS e as autoridades brasileiras de saúde mostram o inofensivo esqualeno. A questão é que ingerir o esqualeno é incomparável a injetá-lo. Pegue por exemplo, o ácido estomacal. Ele é um ácido super forte, que nós não podemos viver sem, mas você não iria querer que alguem injetasse este ácido no seu braco.

À primeira vista, ele parece bom e até mesmo parece fazer sentido. No entanto, o esqualeno tem história.

Na Guerra do Golfo, vários veteranos foram vacinados contra o vírus Anthrax, que continha esqualeno. Isto causou a Síndrome da Guerra do Golfo, que devastou as vidas de muitas vítimas, causando limphodenopatia, artrite rematóide, danos ao sistema nervoso, fatiga crônica, fibromialgia, lupus, lesoes na pele incuráveis, perda de memória, convulsões, Syndrome de Sjogren, doença de Raynaud, dores de cabeça crônicas, esclerose múltipla, entre outros problemas.

A OMS no intanto afirma que agora sabe-se que esqualeno não foi adicionado ao vacinas administradas a esses veteranos, e aponta deficiências técnicas no relatório que sugere uma associação causal.

Em 2000 um estudo publicado no "American Journal of Pathology" demonstrou que uma única injeção do adjuvante esqualeno em ratos desencadeou uam inflamação crônica nas articulacoes, também conhecida como artrite rematóide.
Existem ligações também do esqualeno com artrite rematóide, por este forçar uma alta resposta do sistema imunológico por longos períodos.


The Endogenous Adjuvant Squalene Can Induce a Chronic T-Cell-Mediated Arthritis in Rats
http://ajp.amjpathol.org/cgi/content/abstract/156/6/2057

Estes estudos a seguir mostram que praticamente todas as pessoas (95%) com os sintomas da Síndrome da Guerra do Golfo tinham anti-corpos contra o esqualeno e haviam sido vacinadas com a vacina contra o Anthrax que continha esqualeno.

Antibodies to squalene in Gulf War syndrome.
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10640454

Antibodies to squalene in recipients of anthrax vaccine.
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12127050